.

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

COMO ERA

© João Menéres

ATÉ VIR A FEBRE DE INOVAR O PORTO
 PARA A CAPITAL EUROPEIA DA CULTURA / 2001,
ERA ASSIM A PRAÇA DOS LEÕES.
DEPOIS TUDO A PEDRA E O CIMENTO  MATARAM.
E MAIS NÃO DIGO...

26 comentários:

  1. A pedra e o cimento esfriaram o sentimento de beleza pelas praças!
    Em Guimarães fizeram o mesmo no Toural.
    Renovações (de)mentes que sabem e sentem a betão.
    Mil beijinhos de hoje

    ResponderEliminar
  2. Oportuna imagem aos meus olhos atendendo ao que aconteceu aqui em Lamego, uma vergonha, um atentado com as denominadas obras do Eixo-Barroco nas principais avenidas em que, tal como aí, os espaços verdes foram diminuídos ou extintos, dando lugar ao granito que é o que permite interesses e dá dinheiro, assim como o atentado de retirarem a "calçada portuguesa"... enfim!
    Resta a saudade e as imagens que perpetuam para a eternidade!
    Talvez um dia, venha alguém a refazer como era antigamente...
    Abraço

    Olhar d'Ouro - bLoG
    Olhar d'Ouro - fAcEbOOk

    ResponderEliminar
  3. Aberrante também,a "reabilitação" do jardim romântico da Cordoaria, ali a dois passos dos "Leões" !!!

    ResponderEliminar
  4. E essa praça fica perto de quê? Só para ver se já lá passei:).
    Tão linda a cidade embebida em névoa.

    ResponderEliminar
  5. -LUÍSA

    RUI PIRES

    JOSÉ CORREIA



    Fundamentalmente, o Porto ter sido uma das capitais europeias da Cultura, serviu os interesses de muitos arquitectos e gabinetes de arquitectura.
    Só alterando radicalmente muito do romantismo que o Porto ainda conservava é que eles poderiam encher os bolsos !
    "Desenharam" alterações nos arruamentos que obrigaram aos autocarros a subir passeios para mudarem de direcção, todo jardim romântico foi destruído ( ignorando a história e a beleza de cada um ), onde havia cómodos bancos de madeira passamos a ter umas "cadeiras" isoladas absolutamente incómodas de umas frias pedras e isoladas umas das das outras.
    E até a obra emblemática da PORTO 2001 só foi inaugurada QUATRO DEPOIS e com uma derrapagem no seu orçamento ARREPIANTE !
    E, mesmo esta obra, teve necessidade, nos depois, de ver alterações no seu projecto original !
    Escadas agressivas e sem corrimãos,que constituíam um perigo para quem as descesse e que provocaram ( obviamente ) várias quedas.
    Portas dos sanitários que obrigam os utentes a serem verdadeiros atletas para as moverem ( e assim continuam ...).
    Um arquitecto que para sala de concertos se esqueceu ( ? ) que era fundamental um projecto luminotécnico para quem actuasse no palco...
    Enfim, um rosário sem fim de falhas imperdoáveis !
    E até a escada exterior, em dias de chuva, empoça de tal modo que, normalmente implica a desactivação da sua função, e passando os visitantes a serem obrigados a aceder por uma porta de serviço ( que seria para uso limitado ) situada ao nível 0, após o que são obrigados a servirem-se de ascensores que em dias de Concerto, estão sempre ocupados ( naturalmente ).

    Muito mal parida foi esta Capital Europeia da Cultura !...


    Um beijo e dois abraços.

    ResponderEliminar
  6. BEA

    Em frente à antiga Universidade, agora Reitoria.
    Entre os antigos Armazéns Castelo e a Igreja do Carmo.
    Claro que já passaste lá !

    Um beijo amigo.

    ResponderEliminar
  7. Perdão,esta informação carece de referência importantíssima (digo eu).
    -A belíssima livraria Lello,a alguns passos desta praça!

    ResponderEliminar
  8. Hoje é esta bela neblina... talvez ainda do alvorecer, que desenha o perfil do chafariz e fluindo se desfaz...
    E deixa ver bem a calçada portuguesa que, mesmo sem lavrados, oferece sempre um ar acolhedor... nada tendo a ver com frias placas de pedra...
    Gosto muito da tranquilidade desta foto. Parece que o dia, activo, ainda não começara...
    Beijinhos, JOÃO.:)

    ResponderEliminar
  9. Ainda me recordo da Praça assim.
    Há quem lhe chame progresso...
    Aquele abraço, bfds

    ResponderEliminar
  10. Lamentavelmente o ser humano é egocêntrico e os ditos arquitetos famosos, querem além de encher os bolsos marcar a traça, deixar uma imagem de marca, esquecendo o principal ainda por cima em locais públicos e comuns a todos nós. Em primeiro lugar a função a que se destina com todos os requisitos cumpridos (que na maior parte das vezes desconhecem por falta de estudo aprofundado) a segurança, os acessos e necessidades a pessoas com mobilidade reduzida ou outro tipo de dificuldades e só no final a tal imagem de marca....aliás a grande imagem de marca deveria ser cumprir tudo o resto com rigor, qualidade e estética.
    Talvez por isso a vaidade ser um dos pecados mortais.

    ResponderEliminar
  11. Porquê "malhar"sistemáticamente
    nos Arquitectos, quando os mesmos estão sob o jugo das decisões em Assembleia Municipal,onde são os Engenheiros quem "mais ordena"????

    Tenha excelente fim de semana, e óptimas férias,se estiver a desfrutar das ditas....!!!?

    ResponderEliminar
  12. Bem linda!

    Beijinhos e uma boa sexta-feira:)))

    ResponderEliminar
  13. JOSÉ CORREIA

    É verdade que está somente a dois passos, mas apenas referenciei a própria Pç. dos Leões.
    Também podia ter referido a Torre dos Clérigos, não é verdade ?


    Um abraço.

    ResponderEliminar
  14. MARIA MANUELA

    Ainda bem que te não escapou o pormenor da calçada à portuguesa ali bem bem junto à linha do eléctrico !


    Um beijo e obrigado pelo teu olhar sempre atento.

    ResponderEliminar
  15. PEDRO COIMBRA

    E era bem bonita !!!

    Obrigado e um abraço.

    ResponderEliminar
  16. MARIA

    Bem sabes que estou totalmente de acordo contigo !
    Muita, muita vaidade e igual dose de peneiras !


    Um beijo e obrigado.

    ResponderEliminar
  17. JOSÉ CORREIA


    A PORTO 2001 era uma entidade autónoma.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  18. ISABEL

    Muito obrigado pelas tuas palavras.

    Um beijo fresco.

    ResponderEliminar
  19. Muito mais bonita, do que o betão que tem actualmente. Actualmente é uma praça triste.
    Essas pessoas, que decidiram e projectam a versão "moderna" da praça, deveriam ser açoitadas em praça pública (até poderia ser nesta praça).

    ResponderEliminar
  20. Não me estou a recordar da praça neste momento.
    Gosto da imagem mostrada na foto. Gosto da sedução da névoa.
    Vou tentar comparar de memória quando por lá passar.

    ResponderEliminar
  21. EDUARDO

    Por isso a Kodak dizia PARA MAIS TARDE RECORDAR !

    ResponderEliminar
  22. REMUS

    Mais que triste, digo eu.
    É um espaço sem significado...
    Açoitadas ?
    - Na minha opinião era pouca a pena !

    ResponderEliminar
  23. DIDA

    E outro crime foi o destruir o jardim fronteiro à antiga Cadeia da Relação, actual Centro Português de Fotografia !

    Um beijo já num dia de muita frescura.

    ResponderEliminar
  24. ... bem então recorde-mos uma praça cheia de de vida ... não amorfa ... que obrigava a reencontros dos jardineiros com as plantas ... e a um olhar cuidado e atencioso para com ela ... pequenos vícios matinais ou de fim de tarde com poesia colorida nos olhos ... recorde-mos ...

    ResponderEliminar
  25. RASURAS

    No edifício da Reitoria era a Universidade e os encontros, nessa época, faziam-se mais à volta dos chafarizes...
    Outros tempos, em que no interior SE ESTUDAVA !


    Grande abraço.

    ResponderEliminar