.

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

COMO ERA

© João Menéres

ATÉ VIR A FEBRE DE INOVAR O PORTO
 PARA A CAPITAL EUROPEIA DA CULTURA / 2001,
ERA ASSIM A PRAÇA DOS LEÕES.
DEPOIS TUDO A PEDRA E O CIMENTO  MATARAM.
E MAIS NÃO DIGO...

26 comentários:

Luísa disse...

A pedra e o cimento esfriaram o sentimento de beleza pelas praças!
Em Guimarães fizeram o mesmo no Toural.
Renovações (de)mentes que sabem e sentem a betão.
Mil beijinhos de hoje

Rui Pires - Olhar d'Ouro disse...

Oportuna imagem aos meus olhos atendendo ao que aconteceu aqui em Lamego, uma vergonha, um atentado com as denominadas obras do Eixo-Barroco nas principais avenidas em que, tal como aí, os espaços verdes foram diminuídos ou extintos, dando lugar ao granito que é o que permite interesses e dá dinheiro, assim como o atentado de retirarem a "calçada portuguesa"... enfim!
Resta a saudade e as imagens que perpetuam para a eternidade!
Talvez um dia, venha alguém a refazer como era antigamente...
Abraço

Olhar d'Ouro - bLoG
Olhar d'Ouro - fAcEbOOk

Jose Correia disse...

Aberrante também,a "reabilitação" do jardim romântico da Cordoaria, ali a dois passos dos "Leões" !!!

bea disse...

E essa praça fica perto de quê? Só para ver se já lá passei:).
Tão linda a cidade embebida em névoa.

João Menéres disse...

-LUÍSA

RUI PIRES

JOSÉ CORREIA



Fundamentalmente, o Porto ter sido uma das capitais europeias da Cultura, serviu os interesses de muitos arquitectos e gabinetes de arquitectura.
Só alterando radicalmente muito do romantismo que o Porto ainda conservava é que eles poderiam encher os bolsos !
"Desenharam" alterações nos arruamentos que obrigaram aos autocarros a subir passeios para mudarem de direcção, todo jardim romântico foi destruído ( ignorando a história e a beleza de cada um ), onde havia cómodos bancos de madeira passamos a ter umas "cadeiras" isoladas absolutamente incómodas de umas frias pedras e isoladas umas das das outras.
E até a obra emblemática da PORTO 2001 só foi inaugurada QUATRO DEPOIS e com uma derrapagem no seu orçamento ARREPIANTE !
E, mesmo esta obra, teve necessidade, nos depois, de ver alterações no seu projecto original !
Escadas agressivas e sem corrimãos,que constituíam um perigo para quem as descesse e que provocaram ( obviamente ) várias quedas.
Portas dos sanitários que obrigam os utentes a serem verdadeiros atletas para as moverem ( e assim continuam ...).
Um arquitecto que para sala de concertos se esqueceu ( ? ) que era fundamental um projecto luminotécnico para quem actuasse no palco...
Enfim, um rosário sem fim de falhas imperdoáveis !
E até a escada exterior, em dias de chuva, empoça de tal modo que, normalmente implica a desactivação da sua função, e passando os visitantes a serem obrigados a aceder por uma porta de serviço ( que seria para uso limitado ) situada ao nível 0, após o que são obrigados a servirem-se de ascensores que em dias de Concerto, estão sempre ocupados ( naturalmente ).

Muito mal parida foi esta Capital Europeia da Cultura !...


Um beijo e dois abraços.

João Menéres disse...

BEA

Em frente à antiga Universidade, agora Reitoria.
Entre os antigos Armazéns Castelo e a Igreja do Carmo.
Claro que já passaste lá !

Um beijo amigo.

Jose Correia disse...

Perdão,esta informação carece de referência importantíssima (digo eu).
-A belíssima livraria Lello,a alguns passos desta praça!

Maria Manuela disse...

Hoje é esta bela neblina... talvez ainda do alvorecer, que desenha o perfil do chafariz e fluindo se desfaz...
E deixa ver bem a calçada portuguesa que, mesmo sem lavrados, oferece sempre um ar acolhedor... nada tendo a ver com frias placas de pedra...
Gosto muito da tranquilidade desta foto. Parece que o dia, activo, ainda não começara...
Beijinhos, JOÃO.:)

Pedro Coimbra disse...

Ainda me recordo da Praça assim.
Há quem lhe chame progresso...
Aquele abraço, bfds

Maria disse...

Lamentavelmente o ser humano é egocêntrico e os ditos arquitetos famosos, querem além de encher os bolsos marcar a traça, deixar uma imagem de marca, esquecendo o principal ainda por cima em locais públicos e comuns a todos nós. Em primeiro lugar a função a que se destina com todos os requisitos cumpridos (que na maior parte das vezes desconhecem por falta de estudo aprofundado) a segurança, os acessos e necessidades a pessoas com mobilidade reduzida ou outro tipo de dificuldades e só no final a tal imagem de marca....aliás a grande imagem de marca deveria ser cumprir tudo o resto com rigor, qualidade e estética.
Talvez por isso a vaidade ser um dos pecados mortais.

Jose Correia disse...

Porquê "malhar"sistemáticamente
nos Arquitectos, quando os mesmos estão sob o jugo das decisões em Assembleia Municipal,onde são os Engenheiros quem "mais ordena"????

Tenha excelente fim de semana, e óptimas férias,se estiver a desfrutar das ditas....!!!?

Isabel disse...

Bem linda!

Beijinhos e uma boa sexta-feira:)))

João Menéres disse...

JOSÉ CORREIA

É verdade que está somente a dois passos, mas apenas referenciei a própria Pç. dos Leões.
Também podia ter referido a Torre dos Clérigos, não é verdade ?


Um abraço.

João Menéres disse...

MARIA MANUELA

Ainda bem que te não escapou o pormenor da calçada à portuguesa ali bem bem junto à linha do eléctrico !


Um beijo e obrigado pelo teu olhar sempre atento.

João Menéres disse...

PEDRO COIMBRA

E era bem bonita !!!

Obrigado e um abraço.

João Menéres disse...

MARIA

Bem sabes que estou totalmente de acordo contigo !
Muita, muita vaidade e igual dose de peneiras !


Um beijo e obrigado.

João Menéres disse...

JOSÉ CORREIA


A PORTO 2001 era uma entidade autónoma.

Um abraço.

João Menéres disse...

ISABEL

Muito obrigado pelas tuas palavras.

Um beijo fresco.

Eduardo P.L. disse...

Restam os registros e lembranças

Remus disse...

Muito mais bonita, do que o betão que tem actualmente. Actualmente é uma praça triste.
Essas pessoas, que decidiram e projectam a versão "moderna" da praça, deveriam ser açoitadas em praça pública (até poderia ser nesta praça).

DiDa disse...

Não me estou a recordar da praça neste momento.
Gosto da imagem mostrada na foto. Gosto da sedução da névoa.
Vou tentar comparar de memória quando por lá passar.

João Menéres disse...

EDUARDO

Por isso a Kodak dizia PARA MAIS TARDE RECORDAR !

João Menéres disse...

REMUS

Mais que triste, digo eu.
É um espaço sem significado...
Açoitadas ?
- Na minha opinião era pouca a pena !

João Menéres disse...

DIDA

E outro crime foi o destruir o jardim fronteiro à antiga Cadeia da Relação, actual Centro Português de Fotografia !

Um beijo já num dia de muita frescura.

Rasuras do Aparo disse...

... bem então recorde-mos uma praça cheia de de vida ... não amorfa ... que obrigava a reencontros dos jardineiros com as plantas ... e a um olhar cuidado e atencioso para com ela ... pequenos vícios matinais ou de fim de tarde com poesia colorida nos olhos ... recorde-mos ...

João Menéres disse...

RASURAS

No edifício da Reitoria era a Universidade e os encontros, nessa época, faziam-se mais à volta dos chafarizes...
Outros tempos, em que no interior SE ESTUDAVA !


Grande abraço.