.

domingo, 31 de março de 2013

DOMINGO DE PÁSCOA

© João Menéres




Andei aí entre vós vestido de modos
tão variados, mas sempre simples.
Fui branco, verde, vermelho,
até amarelo fui.
Olharam-me de formas diferentes,
como se a cor importasse. 
E quando me viram voar,
bem sabiam que nunca mais
me poderiam ver ou tocar...




*****
Da minha querida Amiga
 blogueira minhota
recebi este presente :

© João Menéres


Umas amêndoas torradas em forno de lenha, especialidade da
Pastelaria Trinas de Guimarães,
dentro de uma caixinha em
forma de Ovo de Páscoa !
E no sobrescrito o requinte 
de um lacre com a Flor de Lis,
que para mim teve o
significado de um ramo,
como é habitual no Domingo de Ramos
os afilhados ofertarem aos padrinhos.
Portanto, além de agradecer,
fico em dívida contigo !
Terás que aguardar 
pelo meu regresso...

Um beijo à Mãe da Ana
e os renovados votos de 
uma Santa e Feliz Páscoa.

***** 

Também de uma Amiga, desta vez não blogueira, mas que me visita e
comenta diariamente, recebi
numa manhã (eram 9:03 h locais ! )
esta surpresa :

© João Menéres


Só pela embalagem, era fácil
adivinhar alguma coisa.
Mas o quê ?...
Primeiro, tinha que a fotografar !

E só depois me sentia com o 
direito de ter a resposta.

Fi-lo à pressa, porque
ia sair.



© João Menéres


Uma garrafa com uma bonita
roupagem ( difícil vermos 
toda a beleza do relevado
acima de BONJARDIM,
mas se clicarem sobre a garrafa,
tudo se torna visível !).

Mas, afinal , o que é o
BONJARDIM ?
É um vinho tinto,
das Beiras,
Reserva de 2006,
com um teor de 13,5%
que, ou se pode beber já, ou 
pode aguentar mais 15 anos.
Elaborado com as castas
nobres portuguesas 
Touriga Nacional e
Tinta Roriz , ambas com 45%
e com 5% de cada uma das
castas francesas
Merlot e Syrah.
De nariz intenso e
aromas a frutos pretos frescos,
não ficará muito tempo na garrafa !

Em 2009, ganhou a
Medalha de Prata, num 
Concurso do Mónaco, para
em 2010, arrebatar a
Medalha de Ouro,
 no MUNDUS VINI,
na Alemanha.

À M.M.M. aqui ficam os 
meus profundos agradecimentos e
os renovados votos de um 
DIA DE PÁSCOA muito feliz.









sábado, 30 de março de 2013

© João Menéres




“Ele não está aqui, porque já ressuscitou”. 

Até hoje estas palavras soam bem
Aos meus ouvidos.
O meu Jesus tão querido
Não está pregado à cruz.
Quando o anjo disse às mulheres
Vinde e vede o lugar onde o Senhor jazia.
Eu imagino a alegria
De Madalena e Maria.
Lá do alto um som se ouvia
Eram anjos em cantoria,
E em aramaico diziam:
Ressurreto é o Senhor!


( Poeta: Hull de La Fuente )

sexta-feira, 29 de março de 2013

SEXTA FEIRA SANTA

© João Menéres

Na Igreja de Santiago, em Belmonte.

 " A Virgem Maria ampara o corpo morto do seu filho. Não é obra de escultor erudito. Anatomia, proporções, panejamento, revelam certa rusticidade, mas é tão impressiva, atinge de forma tão directa e tão simples a finalidade pretendida, expressando amor, aceitação, confiança ... apesar de tudo, que é uma verdadeira obra-prima."
                                                                          
 ( Nuno Calvet, Júlio Gil, As Mais Belas Igrejas de Portugal, Verbo )





*****

COMENTÁRIOS QUE MERECEM UM POST

A propósito da nossa postagem de ontem,
a nossa Amiga LUÍSA VILAÇA escreveu :

Como gosto destas águas de ondas incertas!


Provo-as de pegadas leves como quem tem medo de lhes poisar!

Mas, das asas que me acompanham, levo a aventura de poder amarar...

Gosto deste teu mar!





quinta-feira, 28 de março de 2013

GAIVOTA

© JoãoMenéres






COMENTÁRIOS QUE MERECEM UM POST

A propósito da nossa postagem de ontem,
o amigo  REMUS escreveu :

 Vejo uma vista aérea de uma superfície gelada, de uma lua de Júpiter, provavelmente Europa.
É uma fotografia que cativa o nosso olhar. Tanto pelo uso das duas cores, branco e azul, como pelo "efeito polvilhado". É inevitável não associar esta fotografia a algo doce.
,

quarta-feira, 27 de março de 2013

DEDICADA À GRANDE PINTORA MYRA LANDAU

© JoãoMenéres


Mas nem só à MYRA LANDAU...
A quem gostar, também !



*****

____________________________________

COMENTÁRIOS QUE MERECEM UM POST

A propósito da nossa postagem de ontem,
o nosso amigo  JORGE PINHEIRO escreveu :


Dava uma óptima urofluxometria!

terça-feira, 26 de março de 2013

IRRIGAÇÃO


© João Menéres


Na Praça de toiros de Marbella



*****

____________________________________

COMENTÁRIOS QUE MERECEM UM POST

A propósito da nossa postagem de ontem,
o nosso amigo  T , bisa hoje, porque escreveu :


... subiram até onde o peso as deixou e as empurraram bloco a bloco, eram assim que se contavam histórias noutros tempos ... que foram ficando para nossas memórias, altivas deixam-se ver de longe ... servindo de referência a quem as observa de pés no chão ... como também a quem ousa bater as asas ...


segunda-feira, 25 de março de 2013

A SÉ DO PORTO

© João Menéres


COMO QUE EMERGINDO DO MORRO...



*****

____________________________________

COMENTÁRIOS QUE MERECEM UM POST

A propósito da nossa postagem de ontem,
o nosso amigo  T   escreveu :


... entre letras e imagem vagueiam emoções ora embaladas pela ondulação 
ora sustentadas pela escrita ...... 

domingo, 24 de março de 2013

DIA MUNDIAL DA POESIA

© João Menéres
( Clicar sobre a imagem para ampliar )


Em 13 de Março, a MARINA SENA disse-me :
Tenho uma proposta a te fazer: vejo que suas fotos são sempre acompanhadas de poesias. 
Minha proposta é: me mande uma foto de sua autoria, da qual você goste e vou te dar um pequeno texto - uma crónica, como você diz - de presente, para sempre lembrar de mim. :)

Eu perguntei  : Que estilo de Imagem ?

Como resposta :

Uma foto intensa, dilacerante e apaixonada.

Aí, pensei em ANTÓNIO NOBRE, o autor de o " SÓ" 
e da minha ( e dele ) Leça da Palmeira onde, por vezes, batida pelo mar se encontra uma placa com um verso dele :


‘Na praia lá da Boa Nova, um dia,

Edifiquei (foi esse o grande mal)

Alto Castelo, o que é a fantasia,

Todo de lápis-lazúli e coral!

 
Então, a MARINA SENA

( da Cidade Maravilhosa e do
http://palavrasinsolitas.blogspot.pt/ )

© Marina Sena
 
enviou-me este poema maravilhoso feito texto :




Algo lhe perdia, sem saber o quê. Sem motivos, sem palavras. Apenas imagens e nada mais. As idéias se faziam soltas e já não podia chorar. Chorar era algo que quase já não sabia mais. De uma (tristeza?) quieta, inteira. Só. E tudo, tudo. Havia um olhar perdido. Desses olhares que não sabem que foram observados. Qualquer coisa afogada num mar de mágoas, uma lembrança difusa de um amor que não foi. Caminhava pela praia numa tentativa frustrada de esquecer. E lhe vinham palavras, sabe-se lá o porquê. Palavras que nunca seriam ditas, acabariam morrendo escondidas em pegadas apagadas na areia, deixadas em uma concha qualquer. O mar lindo, o céu... Não, não. Nada de poesias e amor e sol. Isso tudo já lhe cansava. Não era novo e era tão doce. Mas sempre acabava – bem amargo – depois. A água com seu gosto salgado lhe trazia a sensação de, no final, sua história havia sido assim, traiçoeira. Lembrava e lembrava. Às vezes sentava-se à beira do mar deixando-se molhar de leve, suavemente. Deixando que o vento acariciasse sua face e lhe fechasse os olhos – pois era apenas ele que não o deixava sozinho. Às vezes levava ‘Só’ e o lia, alguns fragmentos difusos, e intercalava de versos, como se eles pudessem, de alguma forma, preenchê-lo, saciar alguma ausência estranha que ficara depois de tudo ter acabado. De tudo, não se iam as lembranças. Elas lhe perseguiam durante a volta para a casa, durante a calma escuridão que se firmava todos os dias por volta das 6. Deixar a praia era sempre uma forma de voltar ao mundo real. Ficava sem saber com saturar, como banir toda essa angústia que ele não merecia. Não, sabia que não merecia. Mas agora tanto fazia. Já não importava mais. O feito ou o não feito. Evitava pensar num futuro que não havia acontecido. Parecia que as seis horas se fixavam no céu e no seu próprio ser, apenas para lembrar que era aquela hora que sempre deixava a praia – e era naquela hora que ela havia ido embora. Desejava que tudo passasse. E passasse rápido. Certas vezes, era sempre tão infinito e inacabado e agoniante. De um nervosismo tão quieto que só. Afogava a alma. Quase sem remédio – nada lhe poderia salvar? Ah sim, o mar. Mas à noite não havia mar, não havia brisa, não havia pausa. Cansaço insone. Esgotava-se a mente. E não lhe deixava dormir. Já começava a enjoar de pensar e pensar. Aquelas lembranças mal-construídas, as esperanças falidas o consumiam. Mas tinha escolha? Não, não. Procurou pelo livro e notou, pesaroso, que havia esquecido ‘Só’ na areia. Com alguma sorte, não choveria. Com alguma sorte a maré não o alcançaria. Com alguma sorte, não seria levado pelo vento. As pessoas, não havia razão para se preocupar com elas. Ninguém mais lia poesia. Então a tristeza continuou. Tentou olhar para qualquer coisa e escrever. Fazia uns versos mal-feitos. Porém já cansava da poesia. Era melhor esquecer, esquecer. De tudo o mais. No final, nada de suas bobagens – pensadas ou não – importavam. Nada de seus versos. O mundo continuaria a existir e acontecer, um passo após o outro, não importando seu próprio sentir.

Ah e como cansava.
 E naquele momento infinito e quieto lhe bastariam as ondas, e só era o que lhe deixavam viver. Mas não havia ondas, apenas uma angústia escondida pelos cantos que apagava qualquer lembrança boa, qualquer maresia, qualquer dia de sol. Que lhe apagava qualquer ínfima chance e vontade de existir.
____________


MARINA : Mas havia alguma hipótese de te esquecer ?




*****



_______________________________
COMENTÁRIOS QUE MERECEM UM POST :


A propósito da nossa postagem de ontem,

a LUÍSA VILAÇA escreveu :
 

Olhares de grifo que plana pelas artérias desta rotunda, conhecendo-a melhor que as demais aves que por lá passam!



sábado, 23 de março de 2013

© João Menéres


VISTA AÉREA DA PRAÇA MOUZINHO DE ALBUQUERQUE,
HABITUALMENTE CHAMADA DE ROTUNDA DA BOAVISTA,
POR SER CIRCULAR E ESTAR IMPLANTADA EM PLENA 
AVENIDA DA BOAVISTA.

O monumento ao centro é alusivo à Guerra Peninsular,
que uniu os portugueses e os ingleses contra os exércitos franceses 
de Napoleão Bonaparte que invadiram Portugal
durante os anos de 1808 a 1814.


*****

_______________________________
COMENTÁRIOS QUE MERECEM UM POST :


A propósito da nossa postagem de ontem,

a L. R. O. escreveu :
 


Tudo o que o Mestre nos mostra é prodigioso, em qualidade, conteudo e mestria na arte de realizar ....
Goste-se ou não da maneira prodigiosa como o faz....
E para rematar esta fotografia transpira o SABER de mais de um Século...
Parabéns por no-la mostrares...





sexta-feira, 22 de março de 2013

A PROPÓSITO DE ANIKI-BÓBÓ


No passado dia 6, aconteceu no Teatro Rivoli, no Porto,
a jeito de mais uma homenagem ao decano do cinema 
MANOEL DE OLIVEIRA ( 104 anos ),
uma sessão única com a reposição do filme 
Aniki-Bóbó ( 1942 ), que significou a passagem de
 Manoel de Oliveira
do documentário para a ficção.

Este evento deve-se à iniciativa da
crítica e especialista de cinema portugues e fundadora do '''Fantasporto''', com Mário Dorminsky, em 1981,
Drª Beatriz Pacheco Pereira e ao apoio de Mário Dorminsky.

Tendo sido convidado, não me ocorreu levar a minha camera !

Por isso, tive que recorrer à gentileza da fotógrafa LAUREN MAGANETE, a quem agradeço publicamente, para apresentar as fotografias abaixo. 

© Lauren Maganete

Beatriz Pacheco Pereira e eu na entrada do Rivoli.

A história do filme é simples :
Dois miúdos, o Carlos e o Eduardo
gostam da mesma menina, a Teresinha.
Carlos é tímido, bom e sossegado, enquanto
o Eduardo é brigão, audacioso e atrevido.

Como o filme está disponível no You Tube
não prolongo mais esta história na
expectativa que disponham do tempo
necessário para verem este encantador filme.
***
À chegada ao Rivoli...


© Lauren Maganete

Vejam a frescura, a distinção e a beleza
da Srª D. Fernanda Matos, de 83 anos, 
mais de 70 anos após ter sido a
TERESINHA  e compreenderão
a razão da disputa entre o Carlos e o Eduardo !

***
E, agora, o eterno jovem
MANOEL DE OLIVEIRA !...


© Lauren Maganete

...na sua cabeça mais dois filmes ainda !


*****

_______________________________
COMENTÁRIOS QUE MERECEM UM POST :


A propósito da nossa postagem de ontem,

MARIA MANUELA, escreveu :
 


Ora, aqui está a "essência" duma gueixa,
construída com arte e imaginação,
(como, afinal, todas as gueixas o são)
à base da beleza e fragilidade dessa flor!
Sem lhe faltar a graça, no manejar
do leque e da sombrinha...
ou nas enormes mangas do Kimono
que no leve saltitar
do movimento, se adivinha!

Toda ela, uma camélia,
à japoneira, numa alusão!...


(  NOTA :Trata-se de uma parte do seu comentário )

quinta-feira, 21 de março de 2013

A PROPÓSITO DE CAMÉLIAS

© João Menéres


Há vários anos atrás, tive a oportunidade
de adquirir um exemplar ( 1ª edição / 1906 ) do
livro PAISAGENS DA CHINA E DO JAPÃO
de Wencesllau de Moraes, 
belamente encadernado e que me custou
um pedaço de dinheiro.

Para legendar esta imagem feita na
Festa das Camélias de Celorico de Basto,
transcrevo ( com a ortografia da época )
parte do texto das páginas 37/38 :


Romarias indescriptiveis de graça pagã, de vida exuberante, estas romarias, reunindo se ao quadro bello da natureza, de uma magestade commovente e estonteadora, a kermesse hilariante do povo em festa. Barracas embandeiradas expondo mil artigos; poisos improvisados para a refeição frugal; os homens em bandos a folgarem; as creanças aos saltos, ás gargalhadas, vestidas a primor, de sedas de mil tons; mulheres de todas as condições, graves mamans deliciosas, meninas recatadas em mimos de flor de estufa, petulantes cantadeiras das ruas, camponezas em roupas escarlates,gueshas em requintes de luxo e de encantos,
ovantes como idolos, todas ellas comesticos, todas ellas aromas, todas ellas sedas rojantes, todas ellas mimicas e requebros, espanto-sas.... 


( Wenceslau de Moraes, Lisboa 1854 -Tokushima 1929 )

*****
_______________________________
COMENTÁRIOS QUE MERECEM UM POST :


A propósito da nossa postagem de ontem,

MARIA MANUELA, escreveu :

  Parece um rio de casinhas a correr entre montanhas...
E que linda e derradeira luz tão bem as destaca na paisagem... e a envolve em tom de entardecer...
E as nuvens lá em cima, rosadas, a rirem-se contentes, por aquele instante de infracção cometida....
   

quarta-feira, 20 de março de 2013

FRIDÃO

© João Menéres


Ao final do dia de Domingo,
de regresso ao Porto, tive que cometer 
uma pequena infracção,
mas não podia deixar de fotografar !

Se no Côa, as gravuras rupestres não sabiam nadar,
nas encostas do Rio Tâmega,
são as uvas que não sabem nadar !

terça-feira, 19 de março de 2013

NO DIA DO PAI




MEU PAI

Neste Dia de S. José, em que se comemora o Dia do Pai,
                 lembro aqui o meu : Agostinho Pinto de Oliveira Menéres.

Nascido a 1 de Janeiro de 1898 e falecido a 16 de Setembro de 1977,

era filho de Agostinho da Fonseca Menéres e de Maria Carolina Pinto de Oliveira.

Meu Avô foi o 5º filho de meu Bisavô Clemente Menéres, nascido na Vila da Feira, em 19 de Novembro de 1843 e que com pouco mais de quinze anos foi para o Rio de Janeiro.

Como se pode ver, o meu Pai aqui nesta fotografia ainda não tinha 17 anos,

mas tinha já a postura que sempre conservou até ao momento em que Deus o chamou.

Óptimo pai, como devem ser os nossos pais, era rigoroso,

mas não severo, na disciplina em que fomos (quatro filhos) educados.

Conversador nato, era uma pessoa desejada e querida por todos.

*****
Este post foi editado aqui no GRIFO PLANANTE
em 19 de Março de 2009.
Daí para cá, muitos novos seguidores deram-me 
o prazer da sua amizade e, por isso,
achei que não seria impertinente
repetir esta postagem.

Há quatro atrás, entre os que comentaram, continuam
a fazê-lo com regularidade :

GEORGIA

EDUARDO P.L.
PAULINHA
JORGE PINHEIRO
L. REIS
e
o JORGE MONTEIRO
( a quem quero agradecer
publicamente a ajuda preciosa que me tem dado
sempre que algum problema me surge,
como foi o caso da recuperação desta fotografia, por exemplo. )


*****
COMENTÁRIOS QUE MERECEM UM POST :
 O que a LUÍSA VILAÇA escreveu ontem :

Eis um rio que passa e deixa a banhos lampreias saudáveis...daquelas com sabor a bordalesa e que pintam de vermelho as mesas senhoriais!
Tal natureza só pode inspirar poetas...
E, se é Alto Minho, mais inspirador é!


segunda-feira, 18 de março de 2013

PONTE DA BARCA

© João Menéres


PONTE DA BARCA


É uma vila que recebeu foral em 1125, situada na

margem esquerda do Rio Lima.
Na imagem, o Pelourinho ( Séc. XVI ) e
o antigo mercado ( 1752 ).
O ponto mais alto do concelho da
Ponte da Barca encontra-se na
Serra Amarela, na freguesia da Louriça, 
a 1359 metros de altitude 

Entre vários locais de rara beleza, 
destacamos o JARDIM DOS POETAS,
a bordejar o Rio Lima.

Como curiosidade :

A mãe de Santo António de Lisboa era natural daqui, 
bem como o Navegador Fernão de Magalhães.

*****

____________________________________

COMENTÁRIOS QUE MERECEM UM POST

A propósito da nossa postagem de anteontem,
o nosso amigo  T   escreveu :


... estrutura de ligação entre duas áreas opostas ... que por ironia serviu para ajudar a descontinuar a ligação à vida e ideais de muitos ...