.

sexta-feira, 27 de abril de 2018

NATÁLIA CORREIA


© autor desconhecido



De Amor nada Mais Resta que um Outubro





De amor nada mais resta que um Outubro 
e quanto mais amada mais desisto: 
quanto mais tu me despes mais me cubro 
e quanto mais me escondo mais me avisto. 

E sei que mais te enleio e te deslumbro 
porque se mais me ofusco mais existo. 
Por dentro me ilumino, sol oculto, 
por fora te ajoelho, corpo místico. 

Não me acordes. Estou morta na quermesse 
dos teus beijos. Etérea, a minha espécie 
nem teus zelos amantes a demovem. 

Mas quanto mais em nuvem me desfaço 
mais de terra e de fogo é o abraço 
com que na carne queres reter-me jovem. 

Natália Correia, in “Poesia Completa” 

12 comentários:

Agostinho disse...

A poesia de Natália fala-me
do amor. Perfeito!
Imperfeito pela inquietação do
que fica por dizer e fazer.
Do ser nunca acabado.

Abraço.

João Menéres disse...

AGOSTINHO

Era muito inquietante a Natália Correia...

Grande e amigo abraço.

Remus disse...

Lembro-me de em miúdo vê-la na televisão. E também lembro-me que ela causava-me algum receio, porque falava muito alto. Parece que estava sempre aos berros.
Se bem que agora, pensando melhor, se calhar a televisão é que só a mostrava quando ela estava a falar aos berros.
:-)

João Menéres disse...

REMUS

Acho que fazia parte da sua personalidade...

L.Reis disse...

Não é das minhas autoras preferidas mas, por vezes, tinha rasgos no que dizia e na forma como dizia que me fascinavam.

João Menéres disse...

L. REIS

Também não é das que mais aprecio, dizia mas muito bem e tinha muita bagagem !


BjKa.

Elvira Carvalho disse...

Uma poetisa mal compreendida.
Abraço e bom fds

João Menéres disse...

ELVIRA

E, por isso, não bem conhecida.
Um dia talvez seja devidamente glorificada.

Um beijo grato.

Rasuras do Aparo disse...

... era o que normalmente se chama uma "força da natureza" que emanava poesia de uma forma por vezes intempestiva ... mas também com profundidade ...

João Menéres disse...

RASURAS

O meu conhecimento da Poesia da Natália Correia é já um pouco tardio, embora já tenha uns anos.
A ela voltarei um dia...

Grande abraço.

Ana Freire disse...

Confesso, que pouco conheço da sua obra... pelo que gostei imenso de apreciar um dos seus poemas!
E gostei de ver por aqui uma imagem... de uma Natália, bem mais jovem... do que a recordação, que tinha da mesma...
Mais uma excelente partilha, por aqui, João!
Beijinho
Ana

João Menéres disse...

ANA FREIRE

Assim, com pessoas como tu, vale a pena o tempo que dispenso ao universo blogueiro !

Fazem-me sentir que vala a pena !

Obrigado, digo eu !

Um beijo amigo.