.

sábado, 22 de abril de 2017

REGRESSO À IGREJA

© João Menéres

JÁ O SOL SUMIRA NA LINHA DO HORIZONTE
QUANDO AS 7 CRUZES TERMINARAM
A VISITA PASCAL NAS FREGUESIAS
DE CELORICO DE BASTO.

EM 1º PLANO A CICLOVIA QUE
SUBSTITUIU A EXTINTA
LINHA DE CAMINHO DE FERRO
DO TÂMEGA, QUE LIGAVA
AMARANTE AO ARCO DE BAÚLHE.

18 comentários:

  1. estava bem no alto? para fazer esta foto??? de uma claridade incrivel!@!!!
    hoje tem sol aqui e um pouco menos frio...bjos

    ResponderEliminar
  2. MYRA

    Estava no 1º andar da casa da quinta, depois de ter esperado bastante tempo no sítio por onde iriam passar.
    Como o sol já se escondera e o regresso nunca mais se verificava, fui para dentro de casa e fiquei atento.
    Estava, assim, a uns bons 170 metros.

    Um beijo num dia que promete.

    ResponderEliminar
  3. EDUARDO

    Se fosse a preto e branco, bem podia ser...

    ResponderEliminar
  4. Bom sábado João.
    Nunca assisti a uma festa Pascal. Na cidade é festejada de modo diferente. quando era menina ainda fui vestida de anjinho ( tinha de ser só em menina rss cresci e tornei-me diabinha rss brinco ! ) então para mim tudo é uma descoberta... Este ano por acaso vi na TV alguns festejos e apreciei o que vi.
    A foto é um relato visual da época pascal nesses lados.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. ANA SIMÕES

    No Porto, a visita pascal acontece em várias freguesias.
    Curioso é o facto de na Confeitaria/Restaurante do prédio onde agora resido, vão dois compassos !
    Estranho ?- Nem tanto, pois do outro lado da via já é outra freguesia e devem ter combinado irem os dois.
    E sobem aos apartamentos que respondam ao toque da campaínha.
    Mas não há procissão, Ana.
    Deves estar a confundir com outra festa religiosa ( talvez no Corpo de Deus ), digo eu...
    Há visitas pascais com muito significado. Numa aldeia ribeirinha do Cávado, por exemplo, em que o compasso vai de barco e atrai muita gente.

    Um beijo amigo, diabinha

    ResponderEliminar
  6. Apesar de muito betão e de coisas com nomes complicados como "ciclovia", as tradições vão, de algum modo, sobrevivendo. Neste nosso atabalhoado jeito de modernidade, a sobrevivência do passado é mais importante do que nunca.Acho eu.

    ResponderEliminar
  7. Um ritual que se vai perdendo. Dantes as famílias não arredaram pé enquanto não recebessem a cruz.
    Uma bela fotografia documental onde ressalta o contraste entre a tradição e modernidade das estruturas viárias "plantadas" na paisagem natural restante.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  8. Passei por aí uma vez e adorei a região!
    Gosto do olhar!!!bj

    ResponderEliminar
  9. E EU QUE PENSAVA QUE JÁ MAIS NINGUÉM IA COMENTAR...

    ResponderEliminar
  10. L. REIS

    O betão, o fibrocimenro, o asfalto e também uma rotunda que não vês foram implantados em terrenos expropriados pelas E. P. pelo preço da uva mijona !
    Da Av. da República à Variante que passa mais acima da moradia que vês parcialmente o acesso era feito nas calmas !
    Mas o anterior presidente da Câmara ( pai do actual ) cismou em fazer obra para encher o olho ao
    zé povinho e a consequência foi ficarmos sem uma área significativa.
    Lutar para que o tradicional se mantenha.
    Pois claro, e não é necessário viver o passado.

    Obrigado pelo apoio moral !


    ResponderEliminar
  11. AGOSTINHO

    Aqui no Porto, há várias visitas pascais.
    No caso, esta "modernidade" não era nada necessária.
    No cruzamento da estreita estrada que está para lá desta via com a Variante, uns simples semáforos bastavam, pelo menos para as próximas décadas.

    Muito obrigado pelo seu sempre aguardado comentário e desejo-lhe uma boa semana.

    ResponderEliminar
  12. GRACINHA

    É natural que tenhas gostado e MUITO !
    Não sei se viste uma quantidade razoável de solares que na zona...

    Um beijo amigo.

    ResponderEliminar
  13. ... há olhares atentos a tradições que se mantêm apesar do desvio imposto pelas modernidades bacocas ...

    ResponderEliminar
  14. Então... Mas segundo o sinal de trânsito eles já estão a sair de Celorico de Basto e a entrar em território "inimigo". Não sei se isso é válido.
    Mas na minha santa terrinha acontece o mesmo. Existem anos, em que temos 3 compassos de três lugares diferentes.
    :-P

    ResponderEliminar
  15. RASURAS

    Até o regresso das cruzes à Igreja de Britelo, sendo feita pela nova via, perde muito do seu sentido...

    Abraço amigo e grato.

    ResponderEliminar
  16. REMUS

    Direi : Modernices incoerentes !
    Ora veja, por favor :

    " Britelo foi uma freguesia portuguesa do concelho de Celorico de Basto, com 7,78 km² de área e 2 561 habitantes (2011). Densidade populacional de 329,2 hab/km². Era a freguesia-sede do município e a única a integrar a vila de Celorico de Basto.

    Foi extinta em 2013, no âmbito de uma reforma administrativa nacional, tendo sido agregada às freguesias de Gémeos e Ourilhe, para formar uma nova freguesia denominada União das Freguesias de Britelo, Gémeos e Ourilhe da qual é a sede."

    Na Avenida da República, que atravessa parte do município de Celorico de Basto situa-se imediatamente à nossa esquerda, é onde está a a entrada principal dos jardins da Casa do Prado. Nesta grande área, que também foi expropriada, situam-se as novas instalações da Câmara Municipal.
    Não sei de quem é a responsabilidade da colocação daquela tabuleta.
    Certamente de mais uma mente brilhante !
    Sei que a Casa da Avenida é na Avenida da República e se localiza na freguesia de Britelo, há quatro anos sede da acima nova designação e que se insere TOTALMENTE no município de Celorico de Basto.
    Aceito que colocassem ali uma tabuleta a informar que o termo do centro, como há outras por Portugal fora a indicar o CENTRO.
    E mais não digo...

    Um abraço grato pelo seu atento olhar.

    ResponderEliminar
  17. Um lugar com vista privilegiada... também para a visita pascal...
    Maravilhoso, ter todo esse verde... perto de casa... bem como óptimas vias de acesso...
    Aqui na Vila, também fazem uma procissão... curiosamente nunca me dá para fotografar... e na grande maioria das vezes, já nem assisto... desde que faleceu uma grande amiga, que tanto vivia esta quadra... para mim, perdeu-se o espírito... e como não sou particularmente de grande fervor religioso, com estas práticas... passa-me ao lado... actualmente, na maior parte das vezes...
    Mas gostei muito de ver, por aí, como decorre, a visita pascal...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar