.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

© João Menéres


UM DERVIXE RODOPIANTE

Os dervixes abrem os braços
para que a energia divina
possa entrar pela palma direita,
percorra o corpo e passe para o
exterior para a terra através
da palma esquerda.

( fonte : DK- Dorling Kindersley )


________________________

COMENTÁRIOS QUE MERECEM UM POST :
A propósito da nossa postagem de ontem, 

MARIA MANUELA escreveu :

Belíssima foto cor de incêndio e à "velocidade da luz"!...

...Grande mensagem de dinamismo, em labaredas que dançam ao ritmo da maior "ventania" musical chinesa... E sempre positivamente cumprida,

 a cada renovação de ciclo lunar...

14 comentários:

Remus disse...

Desconhecia essa explicação da energia entrar pela palma direita e sair pela palma esquerda.
Pensava que eles rodopiam só porque sim... porque era uma coisa bonita de se ver.
:-P

De Macau passamos agora para a Turquia?
Mas existe algum lugar do mundo que o amigo João não tenha estado?
:-)

Maria Manuela disse...

Uma fotografia, pura Arte!

O tema é arte, o olhar é arte, o ângulo é arte!
Tudo artístico, nesta imagem tão leve de cor e matéria como um sonho alado!
Tanta elegância neste dervixe, ao lançar-se num vôo pelo azul infinito, em busca de "energia divina", (está no texto), já mal tocando as vestes nos degraus da terra...
Grata por ter trazido até nós a visão deste belíssimo mural em azulejaria!
'''''''''''''''''''''''''''''''''''
Obrigada também pelo destaque. São os temas os inspiradores, sendo eles que dão o mote...

Um beijo e pouca chuva; aqui está muita.

João Menéres disse...

REMUS

Lugar do mundo onde não tenha estado ?
.Tantos, caro Remus !...Vou só citar dois que gostava muito de conhecer : A Islândia ( com os meus problemas de saúde não é aconselhável ) e Argentina ( concretamente, Buenos Aires ). Também difícil com a actual crise.
A Dresden ( cidade de onde era natural o meu bisavô materno ) tenciono ir daqui a meses.

Já tinha editado imagens da Turquia. Esta digitalizei na semana passada.


Um abraço e obrigado.

João Menéres disse...

MARIA MANUELA

Agradeço a bondade das palavras e, naturalmente, o teu comentário.

Um beijo.

L.S.A. disse...

Gostei de ver e de ler.
Obrigada
Abraço
Maria

Luísa disse...

Desce leve, levemente,
como quem não nota em mim!
Será energia vestida de gente?
Vento não é certamente...
...porque vento não sopra assim!

É talvez a delicadeza,
"mas há pouco, poucochinho
nem alma viva se via,
na quieta melancolia
dos pinheiros do caminho..."

Quem desce assim,assim suavemente,
com tão estranha leveza,
que mal se vê, mal se sente?
Não é energia, nem é som,
nem é gente certamente!

Fui ver. A delicadeza sobressaía
do mural de tijolo, colorido e quente...
- Há quanto tempo a esperava!
"E que saudades, Deus meu!"

Olho-a através do Grifo,
Pôs tudo da cor do mimo.
"Passa gente e, quando passa,
os passos imprime e traça
na brancura do caminho..."


dissertação adapatada de "Balada da neve"
Beijinhos mil

Isabel disse...

Muito bonito.
Dá uma impressão de grande leveza.
Um beijinho

João Menéres disse...

MARIA

Fico contente.
Como estás ?

Um beijo.

João Menéres disse...

LUÍSA

Bela adaptação tão pessoal conseguiste fazer do Augusto Gil e da sua Balada !
É uma satisfação ver que há pessoas que tanto se entregam aos COMENTÁRIOS aqui neste GRIFOPLANANTE.

Um beijo e os meus mil agradecimentos.

João Menéres disse...

ISABEL

Tudo isso ( beleza e leveza ) me fascinou.

Obrigado e um beijo.

AvoGI disse...

JOAO
e se a pessoa stiver a mao fechada como entra?
kis .=)

Fernando Santos (Chana) disse...

Excelente....
Cumprimentos

João Menéres disse...

GISELDA

Se a mão estiver fechada, por certo a energia não entra mesmo...

Um beijo

João Menéres disse...

FERNANDO SANTOS ( CHANA )

Agradeço o elogio.


Um abraço.