.

domingo, 24 de maio de 2009

LENDAS

Como prometido, aqui está 

A LENDA DO GALO DE BARCELOS

Há muitos, mas mesmo muitos anos atrás, numa povoação 
(que hoje é a cidade de Barcelos), a população de um momento
para o outro deixou de viver tranquila e em paz.
As pratas e o ouro do homem mais rico do lugar tinham sido roubadas!
A desconfiança instalou-se entre todos. Um era o ladrão, de certeza!
Mas quem entre todos? Este, aquele ou aqueloutro?
Seria o Zé da Adega? Ele devia dinheiro a todos...
Seria alguém de fora? Quem ia saber?

E não é que nestes entretantos não encontram um moço galego
que por aquelas bandas andava a passear?
Logo de suspeito, passou a ser o único alvo de todas as acusações.
O rapaz bem reclamava a sua total inocência, que só nessa manhã ali chegara...

Que importavam as declarações da sua inocência?
Tinha que ser ele, já que todos os outros eram gente honesta...
À força foi levado a casa do juiz que já se encontrava 
sentado à mesa para um magnífico galo assado comer.

O moço continuava a protestar: Não fui eu, não fui eu!!!
A veemência das suas palavras nada alterou.
Desesperado, pois já pensava que a pena de morte lhe seria decretada,
tentou uma última chance:
-A todos já afirmei que estou inocente do que me acusam.
Mas se em mim não acreditam, eu vos digo que este galo
ali na mesa e já assado esta noite cantará a minha inocência!

Claro, todos fizeram chacota e as gargalhadas não faltaram.
E o juiz determinou que o levassem para a cadeia e que na manhã seguinte
ele iria sofrer o castigo adequado a tão grave acto.

O juiz voltou a sentar-se à mesa e muito aborrecido estava com o atraso
que aquele caso originara.
Puxou a travessa para si e, quando se preparava para trinchar
 o galo, não é que um forte e sonante 

Cocorococó...Cocorococó...Cocorococó...

solto pelo assado bicho, não faz que o juiz caia da cadeira com o susto?

Logo deu imediata ordem à sua criadagem para irem soltar o rapaz,
já que ele próprio ouvira o galo cantar.

É esta a lenda. Outras versões há, naturalmente.
Até talvez mais verosímeis:

O galego seria um romeiro de Santiago bem parecido  e que
a estalajadeira se tomara de amores e procurara tentá-lo
à noite no quarto que ao rapaz alugara.
Como este prometera às tentações da carne não ceder
enquanto a peregrinação não terminasse, a estalajadeira
de vingança meteu na sacola do rapaz os talheres de prata.

E, quando ele a sair, gritou bem alto para que toda a povoação ouvisse:
AQUI D'EL-REI, QUE É LADRÃO!

O final da lenda é idêntico, com a agravante que logo ali o juiz
decidiu que a forca era o castigo.
Na verdade, em frente à matriz de Barcelos existe um cruzeiro
na coluna do qual se vê esculpido um galo, um enforcado e Santiago.
Esta lenda, francesa ao que parece, está documentada em vários
pontos dos Caminhos de Santiago.

Quem não conhecia a lenda, fica agora a saber a razão
 da existência do Galo de Barcelos.
Espero que tenham gostado.
 Só lamento as réplicas 
de mau gosto que a original peça tem vindo a 
conhecer nestas últimas  décadas...

Conheço ainda outra, bem diferente desta anterior.

Ter-se-á passado em Vila Nova do Laranjal, perto de Ponte de Sor, no Alto Alentejo e tem a ver com o melhor galo que seria guardado e tratado pelo homem melhor da terra para cantar na Missa do Galo.
Uma vez, apresentaram-se dois homens. Ambos se reclamavam como o melhor homem bom.
O meirinho (ou juiz) pergunta se algum deles pode apresentar uma testemunha do que eles fizeram de bom e de bem.
Ambos apresentam a mesma testemunha, para espanto do juiz.
Tratava-se da menina do Laranjal, a mais bonita, a mais respeitada, mas também a mais rica de toda aquela zona.
Depois de umas peripécias - que aqui me dispenso de narrar para não alongar demasiado o texto - a menina fica noiva daquele que fora escolhido para engordar o galo para a Missa da Meia-Noite, do dia de Natal.
Porém, na véspera desse dia o galo desapareceu misteriosamente!
O juiz entendeu que o responsável pela engorda do galo era também o responsável pela sua guarda e, como tal, logo foi condenado á forca.
Naturalmente afirmou a sua total inocência mas a firmeza do juiz manteve-se.
Já a menina do Laranjal chorava a perda do seu amor quando uma ideia surgiu ao pobre e amargurado...
Assim, quando o meirinho permitiu que o condenado formulasse o seu último desejo, ele pediu que levassem a menina do laranjal ao alto da torre da igreja.
Quando a menina do Laranjal subiu à torre, logo se ouviu o galo cantar três vezes.
O povo correu para o local donde viera o cantar do galo. Era o quintal do outro rival.
Ficara provada a sua inocência! A sua ideia salvara-lhe a vida e devolvera-o á sua amada menina do Laranjal.
A lenda não nos diz o que sucedeu ao rival que furtara o galo ao inocente acusado...

26 comentários:

Maria Augusta disse...

Muito legal, João, estas lendas sobre o galo. Minha preferida foi a terceira, da menina na torre da igreja.
Um abraço e um bom domingo para você.

isabel mendes ferreira disse...

obrigada.


e tinha eu a presunção :)))) /brinco/ de saber muita coisa....
sobre lendas...:)




é sempre bom saber que nunca se sabe


e que há quem saiba e nos dê a saber.


beijos.

expressodalinha disse...

João: gosto mais do galo a cantar 3 vezes. É mais biblíco.
Acbei de ter uma ideia vou contar as lendas de Portugal.

João Menéres disse...

MARIA AUGUSTA

A menina do Laranjal é mais poética, sem dúvida.
Por isso, não consegui resistir, mesmo reduzindo muito ao miolo.

Um beijo.

João

João Menéres disse...

ISABEL MENDES FERREIRA

Eu, pelo menos, sei que nada sei ( o que já é saber muito...).

Bom Domingo.

Um Beijo.

João Menéres disse...

EXORESSO DA LINHA

Se acabou de ter essa ideia, é um trabalho que me tira de cima dos meus ombros...

Um abraço.

Lina Faria disse...

Conhecia a primeira versão, mas já não me lembrava. Também não a sabia com tanta riqueza de detalhes.
Obrigada, João. Você é um grande narrador.
bj.
Lina

ellen disse...

Tudo serve para se fazer negócio :)
mas que eles são lindos são e têm encanto com as suas lindas cores!

Gostei de saber destas lendas.

Beijinho

João Menéres disse...

LINA FARIA

Para visitantes assim é um prazer abrir as gavetas da memória e desfolhar páginas de vários livros que se julgavam em férias nas estantes.
Por vezes, ainda me surpreendo com aquilo que tenho e que quando adquiri não podia imaginar que ainda me ser úteis para tempos da blogosfera...

Um beijo e obrigado pelo incentivo.

João Menéres disse...

ELLEN

Mas que os há também muito pirosos, não podes negar...

Obrigado pelo comentário.
Podias ter dito de qual mais gostaste...

Um beijo e bom Domingo.

Selena Sartorelo disse...

Olá João...Gostar eu gostei das três, lí numa tacada só! Mas concordo com quem gostou da terceira.

Beijos,
JOÃO MENÉRES.

ellen disse...

E digo sim...

Gostei da lenda da Menina do Laranjal. Há carinho e comoveu-me mais essa lenda!
Sou uma mulher sentimentalistas rsssss :)

João Menéres disse...

SELENA SARTORELO

Claro que estes textos exigem mais tempo.
Por isso tenho evitado escrever textos um tanto longos.
Mas, desta vez, não pude evitar.

Obrigado pelo teu carinho.

Beijo.

João Menéres disse...

ELLEN

A da menina do Laranjal é muito mais extensa mas também é mais poética...
Mete amores e está mais estruturada.

Bom Domingo.

Um beijo.

ellen disse...

Pois...!!! tudo tem a sua razão de ser. Não foi em vão que eu a escolhi :)

Bjinho
mandei e-mail com foto do Galo eheheh

mdsol disse...

Eu só sabia a primeira versão! Portanto, só me resta agradecer!

:))))

Tinta Azul disse...

João,
Foi muito bom teres contado a lenda. Mesmo quem a conhece não a sabe toda.

Obrigada.

Um beijo lendário :)

Delfim Peixoto disse...

Bom recordar!
Abraço

João Menéres disse...

ELLEN

Tudo que escolhes é bem escolhido porque não decides impulsivamente.

Um beijo e obrigado por tudo.

João Menéres disse...

MDSOL

Vou passar a olhar para ti mais de perto !...

Nada tens a agradecer, pois se não fosse a simpatia de muitos visitantes o grifo já tinha ido planar para outras latidudes...

Um beijo.

João Menéres disse...

TINTA AZUL

Conhecias as três versões?
De qual gostas mais?

Um beijo.

João Menéres disse...

DELFIM PEIXOTO

Agradeço a visita e o comentário.
O grifo tem sido para mim um bom professor ou um velho amigo que me conta histórias de que eu oubira falar há muitos anos atrás mas que já se tinham deixado envolver por um manto de névoa...

Um abraço.

Elma Carneiro disse...

Gosto de lendas.
Não as conhecia e as três são interessantes, cada uma com sua interpretação e estilo.
Dizem que quanto mais rica a cultura de um povo, maior o número de lendas inspiradoras que justificam os seus costumes e tradições milenares.
Beijo

João Menéres disse...

ELMA
Muito obrigado pelo teu apoio.

Um beijo.

Susana disse...

João: Muito interessantes essas lendas. Desconhecia completamente! Hoje aprendi mais alguma coisa, graças a ti.
Abraço, Susana

João Menéres disse...

SUSANA

Bom, o grifo, de quando em quando, traz umas novidades...

Um beijo.