.

sábado, 2 de maio de 2015

UMA JANELA E CINCO CORES

© João Menéres

20 comentários:

Isabel disse...

Apesar de mostrar degradação, é uma belíssima foto.
É uma pena que estas casinhas (que imagino simpáticas e acolhedores, se estivessem recuperadas) estejam assim a degradar-se.

Um beijinho e um bom fim-de-semana:)

Jorge Pinheiro disse...

As janelas dão excelentes fotos. São a entrada para uma intimidade qualquer. Um mistério maior quando decadentes.

João Menéres disse...

ISABEL

Diversos motivos me despertaram à atenção nesta janela.
Desde os vidros partidos por algumas bolas jogadas contra a fachada, até à delicada harmonia entre as cores.
Além disso, sou um viciado por texturas e aqui, se fosse um explorador como o Serpa Pinto, não me faltariam oportunidades de as pescar.
Fiquei-me pelo conjunto...

Um beijo e bom fim de semana.

João Menéres disse...

JORGE

Janelas e portas respondem ( ou não ) ao nosso chamamento.
Mas é lamentável que a obra ( já em 2ª edição )do INQUÉRITO À ARQUITECTURA REGIONAL PORTUGUESA não tenha despertado outra atenção em proprietários, organismos oficiais e arquitectos para manterem em cada região o traço e os materiais que lhe sejam característicos de raiz.
Obviamente que não estou contra a Arquitectura Moderna, estou sim contra as casas que jamais deixarão história.

Desculpe a lenga lenga...

ana disse...

Gostei muito desta janela e compreendo o que respondeu à Isabel.
As cores, a textura, as histórias para contar...
Tudo muito bonito.
Beijinho. :))

João Menéres disse...

ANA

Tenho passado o dia com dificuldades de acesso à net por razões que desconheço. Por isso, tenho que limitar a minha presença a meia dúzia de blogues, mas amanhã à noite já estou com o meu Mac !
Obrigado por teres gostado desta janela.

Um beijo e até amanhã.

Elias Teles disse...

Subscrevo.

Um abraço e um excelente domingo.

João Menéres disse...

ELIAS TELES

Agradeço.

Retribuo o abraço.

Ana Freire disse...

Engraçado!...
Vejo a janela... danificada... e já em ruínas... e contudo, a imagem não tem rigorosamente nada de triste, ou deprimente.
A imagem para mim, só me transmite resiliência e uma aceitação pacífica da sua condição...
Acho que traduz a verdadeira arte de aceitar o privilégio que é poder... e saber envelhecer... e resistir dignamente, o melhor que sabe, e consegue, à passagem e às marcas do tempo...
É a minha interpretação, João!...
Acho a imagem belíssima, por esse prisma...
Beijinhos, João! Bom domingo!
Ana

lis disse...

Sinto o tempo e o o descaso passar nas janelas _ não tento pela parede descascada e sim pelo desenho dela,que remete as casinhas do interior.
Gosto muito, João.

João Menéres disse...

ANA FREIRE

Em três penadas escreveswte o meu epitáfio !!!
Pessoalmente, faço por isso, por envelhecer devagarinho.

Muito obrigado pelo ânimo que me transmitiste.

Um beijo e um óptimo Domingo.

João Menéres disse...

LIS

Por dentro, também me sinto bastante novo mas as várias leituras do meu interior estão desgastadas como essa parede.
Obrigado pela visita e consequente comentário.

Um beijo.

Ana Freire disse...

O Manuel de Oliveira, fez um filme autobiográfico, trinta anos antes, de resolver ir para um sítio melhor, e que só agora deverá ser exibido...
Os meus epitáfios, também são assim... para serem usados daqui a 30 anos... no mínimo... que o João, para mim, é o equivalente, ao Mestre Oliveira, em fotografia...
Beijinhos
Ana

João Menéres disse...

ANA

O filme é apresentado amanhã no Rivoli. Uma oferta da Câmara Municipal do Porto a quem se sujeitar ir para a fila horas ante, uma vez que essa oferta só é válida para o dia 4.
Espero que a intervenção corra como o previsto e depois, quando for possível, adquirirei os bilhetes.
O teu elogio deixa-me muito embaraçado por várias razões :
1º - Não me comparo ao muito saber e à cultura que o Manuel Oliveira possuia.
2º - Queres que viva mais TRINTA ANOS ?
Batia todos os recordes de longevidade conhecidos e isso eu não desejo para mim !

Agradeço os elogios que os AMIGOS me dirigem. Não se sintam obrigados a tal. Combinado ?

Um beijo muitíssimo grato neste Dia da Mãe.
Parabéns paraquem o é e outros a quem ainda a tem.

Rasuras do Aparo disse...

... já velha e gasta seu rosa velho quase castanho ... assim como o azul que a acompanhava ... a uma certa distância ... mas que se fazia sentir lá por perto ...também ele desgastado ... por esse mágico que é o tempo ... disse-lhe :
- Porque continuas teimosa !? Nem uma fresta !! ...

João Menéres disse...

RASURAS DO APARO

Um comentário tão especial que só três pessoas ( julgo eu ) o entenderão...
Por isso, nada mais acrescentarei, meu caríssimo amigo, mas fica a pergunta :
Quem partiu os vidros da janela ?

Um abraço já do Porto.

Remus disse...

Cinco cores? Eu acho que são pelo menos seis.
Mas como eu sou do contra, se calhar estou a querer ver demais.
:-D

Uma janela que mesmo devido ao descuido aparente do seu estado, chamou a atenção e bem, ao fotógrafo.
Existe beleza em tudo. Basta saber olhar.

João Menéres disse...

REMUS

Vamos conferir ;
Amarelo
Rosa velho
Branco
Encarnado
Azul
Não contei com o cinza, mas posso corrigir :
SEIS CORES !
( Como vê, não custa nada corrigir...).

Obrigado e um abraço.

Agostinho disse...

Muito colorida e certamente com muito que contar.
Boa fotografia.

Ana Bailune disse...

Quem será que ali viveu, quando a vidraça era inteira? Quem será que debruçou-se sobre aquela beira?