.

terça-feira, 12 de agosto de 2014

O CEMITÉRIO INGLÊS NO PORTO


© João Menéres

Até ao século XVIII, a colónia britânica do Porto procedia aos enterramentos na margem do rio Douro, com a maré baixa. Depois de muitas negociações, em 1788, o cônsul John Whitehead conseguiu adquirir um terreno para a construção de um cemitério digno, com a condição de possuir uma cerca com altos muros. No entanto, só a partir dos anos 20 do século XIX recebeu os seus primeiros monumentos. Cemitério de cariz romântico, tem entre os seus ocupantes muitas das conhecidas famílias estrangeiras ligadas ao comércio do Vinho do Porto. Destacam-se os mausoléus de Eduardo Moser, do cônsul John Whitehead, de Feuherheard, Kebe, Jebb e Brindle e as pequenas estelas do barão de Forrester e da família Katzenstein.

( Maria José Ferreira )

HÁ MUITOS ANOS QUE DESEJAVA
CONHECER ESTE CEMITÉRIO.
FINALMENTE, EXACTAMENTE HÁ UM MÊS,
ATRAVÉS DO CNC / DELEGAÇÃO NORTE DO
CENTRO NACIONAL DE CULTURA
SURGIU ESSA OPORTUNIDADE TÃO ESPERADA.

RECEBIDA A COMITIVA POR MR. RICHARD DELAFORCE
E PELO ARQUEÓLOGO DR. SÉRGIO COELHO,
AMBOS DE UMA SIMPATIA EXTREMA,
FORAM-NOS REFERIDOS DIVERSOS
EPISÓDIOS DIRECTAMENTE LIGADOS
À HISTÓRIA DA CIDADE DO PORTO.


© João Menéres

SENDO A INGLATERRA O NOSSO MAIS
 ANTIGO ALIADO, PRESTARAM VALIOSO
CONTRIBUTO PARA A DERROTA DAS TROPAS
NAPOLEÓNICAS, COMANDADAS PELO
GENERAL SOULT.
COMO EM TODAS AS GUERRAS, 
HOUVE VÍTIMAS A LAMENTAR.
NESTE CEMITÉRIO ENCONTRAM-SE
OS RESTOS MORTAIS DOS
QUE CAIRAM EM SOLO NACIONAL.



© João Menéres



© João Menéres

A LÁPIDE DA FAMÍLIA DO BARÃO DE FORRESTER,
CUJO CORPO AFOGADO NO RIO DOURO,NA VALEIRA,
JAMAIS FOI ENCONTRADO.



© João Menéres




© João Menéres


São Patrício  missionário e bispo na Irlanda . Conhecido como o "Apóstolo da Irlanda", ele é o principal padroeiro da ilha, juntamente com Santos Brigit e Columba .

Quando tinha cerca de 16,  foi capturado em sua casa na Grã-Bretanha , e tomado como um escravo para a Irlanda, onde viveu seis anos antes de escapar e regressar à sua família. Depois de se tornar um clérigo, ele voltou para o norte e oeste da Irlanda. Mais tarde na vida, ele serviu como um bispo ordenado, mas pouco se sabe sobre os lugares onde trabalhou. Por volta do século sétimo, ele já passou a ser venerado como o padroeiro da Irlanda.
Dia de São Patrício é observado em 17 de março, a data de sua morte.  É comemorado dentro e fora da Irlanda como um feriado religioso e cultural. Nas dioceses da Irlanda, é tanto uma solenidade e um dia santo de preceito,  é também uma celebração da própria Irlanda.

( ESTE É UM DOS BELOS VITRAIS QUE
SE PODE APRECIAR NA IGREJA ).

***
RESTA ACRESCENTAR QUE, 
DURANTE O CERCO DO PORTO,
NESTES TERRENOS ( AINDA NÃO MURADOS )
ESTEVE INSTALADA UMA BATERIA
APONTADA PARA A FOZ DO RIO DOURO,
MAIS CONCRETAMENTE PARA A MARGEM
DE VILA NOVA DE GAIA, ONDE TAMBÉM
SE ENCONTRAVAM OS ABSOLUTISTAS
FIEIS A D. MIGUEL E QUE DAQUI FORAM
LANÇADAS BOMBAS EM DEFESA DE D. PEDRO.
***

© João Menéres

RICHARD DELAFORCE

NO FINAL DA VISITA FOMOS
OBSEQUIADOS POR UM 
SIMPÁTICO BEBERETE.


27 comentários:

Agostinho disse...

Magnífica reportagem, João Menéres.
O local pode ser visitado pelo público em geral?

Remus disse...

Desconhecia por completo que existia um cemitério dos ingleses no Porto.
Graças a esta reportagem, hoje já fiquei mais culto.
Obrigado pela partilha.

PS: Respondendo à pergunta que deixou na minha fotografia Ruela: Sim. A fotografia foi tirada em Évora. ;-)

Isabel disse...

Achei interessante, não sabia que existia um cemitério exclusivamente inglês.
O vitral é muito lindo.

Para mim, os cemitérios eram todos apenas de relva com uma cruz identificativa de cada pessoa, à semelhança dos cemitérios de homenagem aos soldados mortos na guerra - vi um assim há muitos anos no Luxemburgo e impressionou-me por uma certa beleza - tudo coberto de erva verdinha - e pela simplicidade.

Mesma na última morada há uma certa ostentação.
Enfim, mas isso é um assunto delicado e cada um tem a sua opinião, não é?

Um beijinho :)

Carlos Romao disse...

Lamentavelmente nunca lá entrei, João Menéres.

Boas férias. No Porto está a chover, neste momento.

ana disse...

João,
É bonito. Também gostava de conhecer.:))
Conhece-se muito da história desses homens através da escolha da sua morada derradeira.
Beijinho. :))

João Menéres disse...

AGOSTINHO

A intenção é facilitar as visitas.

Obrigado e um abraço.

João Menéres disse...

REMUS

Por ter sido um inculto durante tanto tempo é que eu desejava visitá-lo.

Obrigado pela confirmação quanto à ruela da Cidade-Museu.

Um abraço.

João Menéres disse...

ISABEL

Como é dito, estes militares morreram em território nacional.
Alguém terá entendido que os corpos deveriam ficar por cá e como não temos os mesmos hábitos dos ingleses, suponho que construiram um clássico cemitério.
Mesmo assim, há mais "jardim" que nos nossos.

Um beijo e obrigado.

João Menéres disse...

CARLOS ROMÃO

Obrigado pela visita.
Também eu vi passar anos até ter chegado o momento certo para visitar o Cemitério Inglês.

Quanto à chuva, fico mais descansado quanto ao meu relvado !...

Um abraço.

João Menéres disse...

ANA

Sobretudo numa visita guiada, como aquela de que eu tive a dita de estar integrado.

Um beijo amigo.

Maria Manuela disse...

Muito interessante !
Um tema bem diferente que nos leva a conhecer melhor a história do Porto... e as raízes do seu vinho... mergulhadas na fleugma inglesa...
Belíssimo, o vitral !
Um beijinho e boas Férias, João !

João Menéres disse...

MARIA MANUELA

Penso que este tema merecia uma descrição diferente da habitual.
Agradeço o teu comentário que, como é habitual, está a contento das duas frentes : a lusa e a britânica.

Tenho mesmo estado na praia em FÉRIAS !, isto é, ainda estou a preguiçar !

Um beijo e obrigado ( até sábado à noite ).

Li Ferreira Nhan disse...

Parte da história ricamente ilustrada!
A primeira imagem encantou-me!
Beijo querido e continuação de boas férias!

João Menéres disse...

LI

Trata-se de um painel "azulejado" ( mas não sei definir o material ) que se encontra logo à entrada, junto da portaria.
Também o achei muito interessante e por isso o incluí nesta postagem.
Os ingleses fazem parte da nossa História.
Não é em vão que são o nosso mais antigo aliado ( mais de seiscentos !...).
Estou muito preguiçoso aqui no Algarve !
Casa/Praia e, par variar, Praia/Casa.
Um ou outro jantar fora...
Dormir na praia e computador em casa.
Ainda não dei nenhum passeata a pé à beira mar, imagina !

Um beijo, Li querida.

Georgia Aegerter disse...

Joao, vim matar as saudades.

Lindamente contada esta bela história. Me fez lembrar que quando o Daniel comecou a aprender a andar de bicicleta fomos treinar no cemitério na nossa cidade que fica bem pertinho de nós. Umlugar onde nao se precisa ter medo e sim respeito. As senhoras que ficavam sentadas nos bancos em dias quentes gostavam de vê-lo a pedalar sua pequena bicicleta por lá. Elas comecavam a contar histórias de quando seus familiares eram vivos e que gostavam de andar de bicicletas.

Um grande abraco

ZEKARLOS disse...

Grande post, grande reportagem. Quem sabe, sabe. Abraço

Jorge Pinheiro disse...

Bela reportagem. Um pouco a despropósito, o Beresford também se podia ter afogado.

João Menéres disse...

GEORGIA

É sempre um prazer muito grande ler um comentário teu.
Essa das histórias dos familiares que gostavam de andar de bicicleta no cemitério, como o Daniel, é bem curiosa.

Um beijo amigo ( então este ano não vens a Lagos ? )

João Menéres disse...

ZEKARLOS

Passei a saber de facto algo que desconhecia totalmente.

Um abraço e obrigado.

João Menéres disse...

JORGE

Refere-se ao Conde de Trancoso ?
Sei pouco acerca desse Beresford que teve muitas intervenções por cá e pelos "Brasis".

Conte a sua história, por favor.

Carolina Tavares disse...

João, eu não gosto de conhecer cemitérios, e só vou a eles quando necessito. Infelizmente sepultar entes queridos. Faz parte da vida.

Na universidade na qual faço meu doutorado há uma professora que é especialista em Luto e Perda, que é referência no Brasil no assunto, com muitos livros e artigos publicados no Brasil e em periódicos internacionais. Quando ela viaja uma visita obrigatória é aos cemitérios. Há gosto para tudo.

Beijos

Li Ferreira Nhan disse...

João, aproveita essa tua disposição em não fazer nada e logo depois descansar :)) praia, verão é pra isso!

Gostei tb do comentário da Geórgia. Gosto destas histórias acontecidas lembradas e contadas. Até consigo imaginar a cena, como num filme.
Gosto de ouvir histórias.

Morei próximo a um cemitério, na mesma rua que minha mãe. Quando a minha Rebeca nasceu minha mãe a levava a passeios no carrinho. Andavam horas pelo cemitério. Como ela sempre disse; havia flores e sossego.

Beijos aos dois!

João Menéres disse...

CAROLINA

São lugares de SAUDADE...

Essa professora tem que conhecer este que aqui apresento, bem como o dos judeus em Praga !

Um beijo, querida Amiga.

João Menéres disse...

LI

Qualquer dia ( não é para já ! ) apresentarei alguns outros exemplos.
Só não gosto de ver formigas junto das urnas...

Um beijo meu para ti, Li querida.

Jane Gatti de Campos disse...

Quando pequena não gostava de cemitérios. Hoje, percebo como a história se mostra pelos caminhos. Uma bela reportagem,retratando um belo lugar, cheio de história e histórias...

João Menéres disse...

JANE GATTI

Alguns cemitérios, pelas suas características, realmente, são um verdadeiro repositório de tanta História...
Outros, por sua vez, guardam em si muitas histórias de vidas.

Um beijo, querida Amiga.

Presépio no Canal disse...

Gostei imenso deste post, João. Não conheço este cemitério, mas fiquei muito curiosa. Que interessante! Obrigada por partilhares. Beijinho amigo.