.

quarta-feira, 3 de julho de 2013

EM DRESDEN

© João Menéres

Catedral de Ss. Trindade, em Dresden 

(ex-Tribunal da Igreja Católica).


Construída em 1739-1751 sob o rei Augusto III. Gaetano Chiaveri, coroada com 78 estátuas 
de santos de autoria de Lorenzo Mattielli.

Foi nesta Igreja que o meu bisavô materno ( Lwdvig Hansch ) foi baptizado.
Engenheiro Mecânico, projectou e construiu a linha dos
Caminhos de Ferrro de Belém do Pará.

15 comentários:

ana disse...

Tem descendência alemã, João?

Que giro!
A catedral deve ser muito bonita, como TSO, deve ter sido um monumento odiado por alguns.
Obrigada pela partilha.
Beijinho. :)

ana disse...

Queria dizer ascendência ou então é descendente...

Anónimo disse...

Catedral de facto imponente... então sempre havia algo de engenharia no adn, só derivou na alínea ...
T

Remus disse...

Um regresso às origens.

Em termos de composição, acho que a inclusão deste passeio(?) que aparece em baixo, não valoriza a fotografia. Estive aqui a fazer um corte mental à fotografia (com a ajuda do scroll do browser) e acho que a fotografia ficaria mais harmoniosa sem essa parte do passeio.
Será que mais alguém concorda comigo?
;-)

Questiuncas disse...

Sempre pensei que com a segunda guerra mundial muito dos monumentos e igrejas tivessem sido destruídos, mas tenho visto algumas fotografias que demonstram estar enganado.
Ainda bem.

João Menéres disse...

ANA

De facto, corre-me nas veias algum sangue alemão. Como disse, o meu bisavô materno era natural de Dresden.
E também me corre algum brasileiro, pela mesma via.

Um beijo.

João Menéres disse...

> T <

Pois é, meu caro...
( Mas de combóio já andei uns bons km !
Risos ).

A catedral no seu interior é muito bonita.

Um abraço

João Menéres disse...

REMUS

CLARO que eu concordo EM ABSOLUTO !
Podia ter deixado só o relvado para "aliviar" o negro da catedral.
Foi a pressa de deixar tudo programado antes de sair do Porto, que nem me deixou pensar.
Agradeço o seu puxão de orelhas com toda a sinceridade.

Um abraço.

João Menéres disse...

QUESTIUNCAS

A destruição foi enorme.
Pelo significado sentimental, fiquei contente por verificar que esta foi uma das que escapou.
Note que houve muita reconstrução tal e qual...

Um abraço com estima.

Anónimo disse...

E pensar que esta catedral quási destruída durante a segunda guerra mundial...se apresenta firme e altaneira, desafiando os tempos.

Por tudo isto e em memória dos que partiram...parabéns João.

L.R.O.

João Menéres disse...

LUISINHA

Muito obrigado pela mensagem amiga.

Estou fora e sem possibilidades práticas de abrir a maior parte dos e-mails.
Diz isso, por favor, às minhas queridas amigas daí.

Um beijo amigão.

Maria Manuela disse...

Com que então, algum sangue alemão e brasileiro?!...
Não terá sido a bisavó, uma Senhora de Belém do Pará, contemporânea da construção da Linha?...

Vetusta e altaneira, esta catedral...(não merecia a construção daquele edifício ali tão próximo)... veio até nós, bem guardada sentimentalmente numa câmara ...
Parabéns e obrigada pela partilha!
Beijinho.

Fatyly disse...

Imponente e muito sóbria!

Beijos

João Menéres disse...

MARIA MANUELA

Não conheci nenhum dos meus quatro avós. Muito menos, os bisavós.
Mas, acho que me lembro de a minha Mãe falar que tínhamos ainda sangue de uma índia brasileira...
Sendo assim, fizeste o PLENO !

Também tens razão : A Igreja precisava de respirar !
Vi-me aflito para encontrar este sítio. Ainda por cima chuviscava...


Um beijo Amigo e muito grato.

João Menéres disse...

FATYLY

Pena não ter a pedra limpa.
Lá chegará o dia, penso...


Um beijo e obrigado.