.

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

ORIENTE

© João Menéres


SERÁ POR MUITOS VIVEREM
EM AUTÊNTICAS GAIOLAS,
QUE GOSTAM DE PASSEAR 
AS SUAS GAIOLAS COM PÁSSAROS
NOS JARDINS  ?

__________________

COMENTÁRIOS QUE MERECEM UM POST :

A propósito da nossa postagem de ontem, três 
comentários eram merecedores do devido destaque.
Para não inflaccionar este espaço, peço desculpa aos dois que aqui não estão.
A LUÍSA VILAÇA escreveu :
O inverno desnuda...tira a folhagem e despe os veios da ilusão num momento singular de despedida e preparação para a renovação!
Inverno é sinónimo de frio, de ruas despidas e varridas pelo vento!
Inverno é chuva, é intempérie...é lareira acesa e montanhas cobertas de neve!
Inverno é o presente, um presente dado pelo relógio e pelo movimento eterno de voltarmos ao fim do ciclo.
Seguindo no tempo, prossigamos em frente.


15 comentários:

myra disse...

sim, gaiolas, eu estou assim, mas numa maior....bjos

Isabel disse...

É impressionante ver como aproveitam o espaço até ao milímetro.

Bom Carnaval!

Maria Manuela disse...

Gaiolas...favos de mel em colmeia... hexagonais como eles e tudo...

Eis mais uma situação real do Oriente, muito bem definida, caro amigo, que o seu olhar atento traz, hoje, até nós...

E talvez seja por isso que passeiam as gaiolas com o pássaro preferido pelos jardins... um acto de carinho e muito mais...
E, logo os pássaros, habitantes do ar e da liberdade...

Um beijo

João Menéres disse...

MYRA

E pensar naquela praceta onde vivias com todas as condições em Velletri...
Até me dói a alma !...


Um beijooooooooooo

João Menéres disse...

ISABEL

Deve ser por terem os olhos muito em bico...

Um beijo ( que o meu Carnaval já passou há muitos anos ).

João Menéres disse...

MARIA MANUELA

Obrigado pelo comentário muito analítico.

Um beijo.

ana disse...

Não sei como conseguem viver assim. Prefiro os passeios e jardins que têm.
Passear pássaros em gaiolas no jardim? Dá vontade de chorar. Então dão-lhes a beleza mas cortam as asas...
Para Myra,
Tire as grades Myra, tire. :)

Beijinhos.

João Menéres disse...

ANA

É um hábito forçado, dadoopreço do m2...
Ainda não sei a razão de passearem as aves nos jardins, mas hei-de perguntar a quem lá viveu anos.

( A Myra não tem grades para tirar...e não estará em condições de voltar a mudar de país...).


Um beijo.

Luísa disse...

Favos de mel, literalmente!
Aprendizagem do homem com a natureza...numa sábia construção!
Acomodam-se os milha(f)res, em casulos protegidos, numa tentiva de superação ao próprio habitáculo!
Hoje, superam viver livres numa prisão, passeando os animais de estimação engaiolados. Doces vinganças...


Grata pelo teu olhar e pelo destawue ao conjunto de palavras que te dedico diariamente, com imenso prazer! Permites-me divagações...Obrigada!

João Menéres disse...

LUÍSA

Foi a sobremesa que hoje te inspirou ?

Como falas em mel e em Doces ...


Um figo pingo de mel, como beijo deste grifo.

( Ainda não é altura, mas vem a propósito )

João Menéres disse...

ANA ( II )

Acabo de receber a informação de um Amigo que esteve em Macau uns anos ( infelizmente, para mim, já lá não estva quando fui ).
Passo a transcrever :
Pela mesma razão porque levamos o cão a passear (quando não é apenas para fazer exercício ).
O pássaro é tratado como um animal doméstico com quem se comunica. Nós apenas os vemos como um ornamento e/ou como uma fonte de prazer sonora mas eles entendem que leva-los a passear e dar-lhes a oportunidade de comunicar com outros "engaiolados" é uma forma de lhes tornar o cativeiro menos penoso.


Um beijo.

Remus disse...

Olho para este prédio e ele lembra-me os gavetões que agora existem em muitos nos nossos cemitérios.
Não consigo desassociar essa imagem...

L.Reis disse...

Detesto gaiolas...e pássaros em gaiolas ainda mais. esta tua fotografia faz mesmo lembrar uma colmeia...até consigo ouvir o zunzum das gentinhas .no seu agitar quotidiano...

João Menéres disse...

REMUS

Tem razão...

Só não sei quaisserão os mais esquecidos...

Um abraço e obrigado por este seu comentário tão pertinente.

João Menéres disse...

L. REIS

E não precisas de ter o ouvido muito apurado para ouvir o zunzun das gentes que ali estão engaioladas, enquanto não saiem para a rua !

Um beijo liberto.