.

quarta-feira, 10 de março de 2010

CASTELO DE PADERNE


Photobucket


Photobucket
© João Menéres



O CASTELO DE PADERNE

Este castelo foi edificado já no período final do domínio islâmico com
o objectivo de resistir aos exércitos cristãos.
Ficou integrado definitivamente na Coroa portuguesa durante o reinado de D. Afonso III.
As muralhas foram assentes sobre sapata de pedra e a construção foi em taipa.

"A taipa de pilão é um sistema rudimentar de construção de paredes e muros. A técnica consiste em comprimir a terra em fôrmas de madeira no formato de uma grande caixa, onde o material a ser socado é disposto em camadas de aproximadamente quinze centímetros de altura. Essas camadas são reduzidas à metade da altura pelo processo de piloamento. Quando a terra pilada atinge mais ou menos 2/3 da altura do taipal, recebe, transversalmente, pequenos paus roliços envolvidos em folhas, produzindo orifícios cilíndricos"

"Acredita-se que seja empregado desde tempos imemoriais no Oriente, sendo do conhecimento do Império Romano. No Norte da África a técnica da taipa de pilão vem sendo milenarmente utilizada.

Incombustível e isolante térmico por natureza, a taipa foi empregue na arquitectura de fortificações por diversos povos desde a Idade Antiga, destacando-se a China, que a utilizou em extensos trechos da Muralha da China, e a cultura islâmica, inclusive em algumas fortificações na península Ibérica, em particular na região do Algarve, tendo sido os mouros os responsáveis pela sua introdução na península Ibérica."


"A Taipa em `Pau-a-Pique' é um processo milenar de construção. Os Portugueses trouxeram-na para o Brasil, quando só havia as ocas dos índios, e a difundiram de norte a sul do país. Tornou-se assim uma das manifestações mais tradicionais de nossa arquitetura, e teve seu período de excelência durante o ciclo do ouro em cidades como Ouro Preto, Congonhas e Diamantina".


Podemos considerar o taipa aparentado com o adobe. Recordemos que o abalo sísmico que 2ª feira atingiu a província de Elazig, com uma intensidade de 6 na Escala de Richter, fez muitos estragos , uma vez que a maioria das casas é construída em adobe.

24 comentários:

Eduardo P.L disse...

Duas boas imagens e mais um pouco da história da matriz!

Abçs

myra disse...

nao somente fotos incriveis, mas assim vou començar a saber algo de Portugal!
lindo, Joao e tantos beijos

angela disse...

Você foi descrevendo e eu fui me lembrando de algumas construções que eram comuns na minha infância, hoje em dia em muitas regiões já não se utiliza essa tecnica devido ao problema da \molestia de chagas, cujo hospedeiro costuma ficar instalado nas brechas da construção. Claro que o grande problema não é a construção e sim o desmatamento, mas o controle da doença passa por aí, uma vez que o desmatamento já ocorreu quando o barbeiro se muda para a casa das pessoas e ele perdeu seu local e seu alimento...sobra a casa de taipa e a gente...argh!
Desculpe o comentário longo
beijos
beijos

tonhOliveira disse...



♫ É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho...♪

Grande registro!

Abraços!

Fê-blue bird disse...

Parabéns pela foto e pela cultura adicional.
Um beijinho

susana disse...

Gostei principalmente da segunda! Aquelas nuvens dão uma emoção fantástica à imagem!
Andei uns dias parada por falta de material para postar, mas como viste já resolvi o problema!
beijinhos

expressodalinha disse...

Boas fotos. Bom texto. Castelo a merecer melhor atenção do IPPAR. Não conhecia.

Sandra Botelho disse...

Poxa, quanta cultura.
Lendo e mais aprendendo.
Bjos no coração

José Jaime disse...

Lindas imagens e excelente texto. Uma bela aula.
Abraços
José Jaime

Ana Paula disse...

Fantásticos registos acompanhados com uma "aula" de história:-)
Jinhossssssss

Claudio Versiani disse...

Caro João,
é sempre um prazer passar aqui no Grifo.
Obrigado por compartilhar as fotos e pela "aula" de história, como escreveu a Ana Paula.
Visitar Portugal, nem que seja virtualmente, me faz muito bem.
Gde ab.

Anónimo disse...

BEIJINHO TERNO, COM SABOR A HISTÓRIA!
LUISA

João Menéres disse...

EDUARDO

O céu ajudou.
A vontade também.

Ab.

João Menéres disse...

MYRA

Por vezes coloco aqui pedaços de História ou de Portugal.
Procuro satisfazer o maior nmero de pessoas que seja possível.

Um beijo amigo.

João Menéres disse...

ANGELA

Apreciei o teu contar!
Agradeço-to do coração.
Assim, pude constatar que te interessou mesmo de verdade.

Um BEIJO.

João Menéres disse...

TONHO

Quase revivi!

Obrigado pelo teu carinho.

Um abraço.

João Menéres disse...



Eu é que agradeço a amizade dos comentaristas !

Um beijo.

João Menéres disse...

SUSANA

A de cima foi para mostrar um pouco mais do que é o castelo.

Um beijo.

João Menéres disse...

JORGE

Só o 1º e o 4º parágrafos é que são meus, como se pode verificar pelas ".
Está em recuperação lenta. Por certo, agora mais parada ainda.
Onde vamos parar?
Há três anos que receava o DESPERTAR da realidade nacional...

Ab.

João Menéres disse...

SANDRA

Obrigado por teres gostado.

Um beijo.

João Menéres disse...

JOSÉ JAIME

Grande elogio o seu.
Agradeço muito.

Um abraço.

João Menéres disse...

ANA

Obrigado por teres retornado aqui.

Um beijo.

João Menéres disse...

Caríssimo ClÁUDIO

Quanto prazer a sua passagem aqui !
Sabe que em tudo na blogosfera sou um curioso que quase nada ainda aprendeu.
Mas, espírito de lutador ainda se vai arranjando...


Um abraço amigo.

João Menéres disse...

LUÍSA

Sei que tens problemas operacionais.Por isso, a tua presença ainda mais significa para mim.

Um beijo grande.