.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

A NOITE ESTÁ AÍ...

Photobucket
© João Menéres


CREPUSCULAR

Já não são horas, meu Amor...
A hora 
passou
em que era grato a gente amar.
É um querer de Irmão este de agora.
Nem a Tarde
é já o cravo rubro de inda há pouco:
é um mermúrio quase...um lírio inexistente
dulcificando as coisas, perfumando-as
de carinhos...

Não é a hora, Amor.
Agora
deixa sorrir em nós a peregrina
ternura da Paisagem.
Não desprendas as mãos
das minhas...
Abandona-as, mas castas como berços...
E beija-me na testa...
Quando a Noite
mansa vier vindo,
Amor, beija de manso a minha testa...
De manso, meu Amor...
Como se o lírio da Tarde se fechasse...

(Sebastião da Gama, 1924-1952, faleceu quando eu tinha 18 anos.
Autor de uma Poesia cheia de candura, traz-nos um Paraíso Perdido Infantil, um lugar de pureza inicial que estaria para além da vida e da própria morte).

A quem não conhece ainda o blogue DIGIT@LPIXEL, fica aqui o convite
para serem seus fieis visitantes.




26 comentários:

Ana disse...

Olá bom dia amigo!!!

Adorei esta imagem magnífica do teu artístico "olhar" registada ao fim da tarde e que ilustra na perfeição o maravilhoso poema de Sebastião da Gama, que não conhecia.

O lindo poema fez-me lembrar um casal que os dois já completaram mais de 86 anos e vivem num Lar onde está a minha "velhinha" ceguinha (a minha mãe).

O amor deles transformou-se numa amizade pura onde não faltam os ternos beijos e raramente "desprendem" as mãos.

Vou contar-te um segredo tive uma vida onde o amor "passou ao lado" o homem com quem casei há 34 anos e do qual fui obrigada a separar-me "para sempre", amava mais outras coisas (que não vou aqui dizer) mas ao olhar "aqueles dois velhinhos" ainda acredito nesse amor eterno.

LINDÍSSIMO. ADOREI!!!

Beijinhos grandes,
Ana Paula

Luísa disse...

Alguém passou e pintou o horizonte de escarlate, poisou um banco na costa e maravilhou-se a ler Sebastião da Gama!
Maravilhoso ambiente para leituras dedicadas ao tempo passado de mão dada! Ao olhar que lê nas entrelinhas! À cumplicidade que marca todos os momentos de uma vida passadaem parceria...
Não apelidaria de "ingenuidade", mas de comunhão!
Algo neste post me fez lembrar a ternura dos 70...os meus pais...

Beijinho terno!

myra disse...

palavras lindas...quasi de meu tempo:) e a imagem como sempre é belissima, e sabe, Joao, me deu vontade de buscar um banco como este por aqui, claro com outras arvores, infelizmente aqui nao ha palmas
beijos enorme

Menina do mar disse...

Olhem-me para a cor daquele céu... UAU!

Dulcineia (Lília) disse...

Fiquei sem palavras...

JOÃO, está a sublimar-se, rs cada dia , cada vez mais...
Aquele céu e aquele banco e mais aquele poema... palavras para quê?
é o nosso sublime JOÃO!

Obrigada

ellen disse...

Em primeiro lugar essa foto está um esplendor...aquele céu ao fundo em tons de fogo e a cor do banco a condizer não poderia ser melhor!!!
E em segundo, o poema escohido para ilustrar este cenário real...lindo! apenas lindo João!

Beijinho para si

expressodalinha disse...

Fantástica a expectativa vibrante do banco encarnado.

uminuto disse...

estas árvores lembram-me as do jardim da Foz
um beijo

Sandra disse...

Bela poesia amigo.
Quantas palavras lindas e de aconchego encontramos aqui.
O amor beija de manso a minha testa..
Lindo.
Um grande abraço amigo.
Sandra

Helena Oneto disse...

Querido João,

O poema de Sabastião da Gama(que eu não conhecia) comoveu-me imenso. Resta-me esperar, para todos nós, um crepúsculo tão 'quente' como este. Bem haja.

angela disse...

Lindo poema do anoitecer da vida e a foto...perfeita.
beijos

Georgia disse...

Que contraste magnifico, Joao.

A noite e o banco vermelho.

Abracos

C.Sampaio disse...

No final da tarde desembrulho um sorriso...e fico naquele outro sítio, onde a noite nunca acontece...
(Também pelas letrinhas verdes - Obrigada João!!)

João Menéres disse...

ANA

Foi o SEBASTIÃO DA GAMA que deu vida a esta imagem
REAL.
Bom...aquele banco vazio de dupla frente, permite muitas divagações !

Pois...

"NÃO É A HORA, AMOR".

TUDO tem a sua hora...

Um beijo e obrigado por tudo.

João Menéres disse...

Esse Alguém pintou o horizonte só para mim naquele dia.

Andei à volta do banco, à procura.
Ninguém vi...
No dia seguinte, S.G. chamou por mim.

Eu sabia quem buscava...


Um beijo, minha querida LUÍSA.

João Menéres disse...

MYRA

Mas há sempre um banco para o nosso coração poisar...

Um beijo.

João Menéres disse...

MENINA DOS MEUS MARES

Tudo natural na linha do horizonte...

Um beijo.

João Menéres disse...

LÍLIA

Tinha um palpite que ia resultar, sabes LÍLIA?

Um beijo.

João Menéres disse...

ELLEN

Obrigado, pelas tuas palavras.
Acima já disse tudo, penso.

Um beijo e obrigado.

João Menéres disse...

Excelente o seu comentário, EXPRESSO DA LINHA !!!
Também eu estava com essa vibrante expectativa !

Um abração.

João Menéres disse...

UM MINUTO

Certo. Av.do Brasil...

Um beijo.

João

João Menéres disse...

SANDRA

Obrigado pelo teu comentário.
O SEBASTIÃO DA GAMA é o único responsável por teres gostado.

Um beijo.

João Menéres disse...

HELENA

Ainda bem que trago maravilhas menos conhecidas...

Muito obrigado pelas tuas palavras.

É um prazer quando se tem leitores como tu.

Um beijo.

João Menéres disse...

ANGELA

Do anoitecer ou do nunca suceder...

Um beijo.

João Menéres disse...

GEORGIA

Obrigado pelo comentário.
Compreende que não consigo visitar-te as vezes que mereces e que eu gostaria.
Sempre que tal me é possível, lá apareço na SALA DE COSTURA (Em casa dos meus Pais, havia uma para o exclusivo fim da costura. A D.Hemengarda - a quem eu sempre tratei por D.ESPINGARDA, para a arreliar - ia duas tardes por semana.)

Um beijo.

João Menéres disse...

C.SAMPAIO

Se rodarmos o banco 90º, temos sempre LUZ, seja a do dia, a das estrelas azuis, a dos candeeiros ou a do amanhecer...

Um beijo iluminado.