.

quarta-feira, 1 de abril de 2009

ARQUITECTURA

Photobucket
© João Menéres


PAVILHÃO DE PORTUGAL

Esta obra situa-se na Alameda dos Oceanos e Cais Português,
no Parque das Nações, junto ao Rio Tejo, em Lisboa.
É um projecto do mais afamado arquitecto português : Álvaro Siza Vieira,
que teve como colaboradores nucleares os engenheiros
Segadães Távares e Ana Bártolo e, ainda, para os interiores,
o também já bem conhecido Eduardo Souto Moura.

Esta obra foi construída entre os anos 1995-1998 e destinou-se a
abrigar a representação portuguesa.

É constituído por dois corpos ligados por uma junta construtiva.
O espaço da imensa praça entre os dois corpos é coberto
por uma lâmina de betão pré-esforçado.
Esta pala (vulgarmente designada por "a pala do Siza")
pode sugerir uma folha de papel apoiada em dois tijolos.

É esta pala que essencialmente pretendo mostrar.

Nota : Este projecto mereceu o Prémio Valmor de 1998.

Como o GRIFO PLANANTE gosta de visitar os amigos,
voltaremos a falar de outras obras do Siza.

24 comentários:

Eduardo P.L disse...

Quando estive em Lisboa FOTOGRAFEI essa obra! Bom reve-la na sua ótica!

Milouska disse...

Olá, João!

Este pavilhão sempre me impressionou, precisamente pela "pala" de que fala.
Obrigada por tê-lo trazido aqui, pos bem merece divulgação.
Um beijo,

Milouska

João Menéres disse...

EDUARDO

Um obrigado pela sua visita matinal acompanhada sempre de um comentário simpático.

Um abraço.

João Menéres disse...

MILOUSKA

Na verdade, para lá da imaginação criativa que a concebeu, honra à Engenharia portuguesa que a tornou possível.

Um beijo.

Lina Faria disse...

João,
O Siza é mesmo genial.
Em Porto Alegre ele assina o museu Iberê Camargo, um luxo de forma e luz.
Já essa folha, ou pala, é mesmo seu auge de ousadia.
Obrigada por nos brindar com essa imagem.

João Menéres disse...

LINA FARIA

Será sempre um prazer, mostrar aqui imagens que possam inreressar diferentes e mais interesses de cada um.
É isso que tenho procurado fazer e tentarei assim continuar.
Como GRIFOPLANANTE tenho que andar por aí...

Um beijo.

Georgia disse...

Essas pedrinhas no chao é algo que muito me chama atencao ai em Portugal. Aqui na Alemanha a chamamos de pedras portuguesas.

Abracos e obrigada por me falar da Ilha das flores.

Maria Augusta disse...

Linhas epuradas trazendo leveza, que bela obra arquitetural...e valorizada pela tua foto, bien sûr!
Abração.

João Menéres disse...

GEORGIA

Denomina-se "calçada portuguesa".
No Brasil há várias situações semelhantes.
Jogando o calcário, o basalto e, por exemplo, o granito, o artista calceteiro pode criar obras maravilhosas.

A seu tempo, lá chegarei.

Um beijo.

João Menéres disse...

MARIA AUGUSTA

A arquitectura do Siza, geralmente, dá muita importância à depuração dos elementos e das formas.
Como disse, voltarei com outros exemplos da sua arquitectura mas, como ficou patente, não é tema que agrade à maioria.

Um beijo e obrigado pelo comentário.

expressodalinha disse...

Francamente gosto mais da pala do meu boné!

João Menéres disse...

EXPRESSODALINHA

E usa boné?

Abraços.

Renata Carneiro disse...

a visita a expo ficou marcada na memória, por entre outras coisas mas principalmente pelo contínuo comentário da minha mãe sempre que nos aproximávamos do pavilhão de Portugal " meninas aquela é a pala do Siza, a pala do Siza Vieira"

Uma grande foto.

beijinhos

João Menéres disse...

RENATA CARNEIRO

Desculpa no outro dia ter-te perdido de vista!

Este recordar da frase da tua Mãe é um consolo.
É porque gostou e admirou!!!

Um beijo e obrigado por tudo.

Jorge C. Reis disse...

É uma obra no mínimo ousada do ponto de vista arquitectónico e de engenharia civil.
Como dizia o Afonso Domingues (o do Mosteiro da Batalha), "não caíu, não cairá!".

Já agora o Segadães foi meu colega no liceu. Há anos que não o vejo.
Abraço

Dona Sra. Urtigão disse...

Beleza de arquitetura e me faz lembrar a obra de Niemeyer. Aqui em Petrópolis existe uma casa, dele, com telhado em curva, semelhante a este, que parece acompanhar a curva do vale...
Grandes arquitetos...

João Menéres disse...

JORGE C. REIS

Como não é costume falarem no nome do autor dos cálculos do pré~esforçado (neste caso concreto) eu falei, pois é da mais elementar justiça.
Não se trata de um vulgo cálculo de Cimento Armado, com os diabos...

Um abraço.

João Menéres disse...

DONA SRª. URTIGÃO

É uma satisfação quando se encontra eco!

Um beijo agradecido.

Conceição Duarte disse...

João, sua foto é muito linda! E a obra... prima! Um beijo grande e boa noite...
CON

João Menéres disse...

CONCEIÇÃO DUARTE

Sempre a mudar o visual !
Isso atrapalha os mais velhos, sabias?
De vez em quando, está bem.
Agora todos os dias?

Rs,Rs,Rs...

Um beijo.

expressodalinha disse...

Claro que uso e não é de cimento!

João Menéres disse...

EXPRESSODALINHA

Então, a sua tem a vantagem de ser movie.
Está a condizer...

Um abraço.

L.Reis disse...

A "pala do Siza" sempre me fascinou...já passei longos minutos a olhá-la...a delicadeza e elegância da estrutura aliada a uma extrema simplicidade de linhas, fazem desta "pala" uma obra notável de arquitectura...gostava de saber como conseguiste "expulsar" todas as pesoas das redondezas... :D
A tua fotografia conseguiu captar todas as características que referi, sendo também ela repleta de elegância (um ângulo e perspectiva muito bem escolhidos...o que claro, não é novidade!)

João Menéres disse...

L.REIS

Não sabes que tenho um spray para o efeito?
Daqui a semanas, irei mostrar o ângulo oposto.
É totalmente diferente o que fiz.


Agradeço-te o comentário.

Um beijo.